Bible of the WayBíblia do Caminho  † Temática

Índice Página inicial Próximo Capítulo

Desencarnação

 

TEMAS CORRELATOS
(Entes queridos desencarnados) (Espírito) (Eutanásia) (Finados) (Funeral) (Homicídio) (Momento da morte) (Morte) (Morte e desencarnação) (Reencarnação) (Pranto) (Sepulcro) (Sobrevivência) (Suicídio) (Vida espiritual)
(AFORISMOS)
 
  1. A chegada (Como podes precisar o momento que te assinalou a entrada no mundo, não podes ignorar que uma hora surgirá em que deves sair dele) — Emmanuel
  2. A convalescença dos desencarnados — Maria João de Deus
  3. A desencarnação (Estudos Espíritas) (EADE)
  4. A desencarnação (Estudos Espíritas) (EPM)
  5. A desencarnação de Fernando — André Luiz
  6. A mensagem de Carlos (Referência aos problemas diversos de um Espírito desencarnado na juventude) — Neio Lúcio
  7. A moratória (O caso de Vicente Curi que contrariado pelos dissabores do dia, veio a saber que, por quatro vezes, os contratempos evitaram-lhe a morte) — Hilário Silva
  8. A passagem de Richet [Idem] (Narrativa de Humberto de Campos sobre a vida, obra e morte de Charles Richet) — Humberto de Campos
  9. A serva fiel (Preparativos para a desencarnação de Adelaide. Conselhos de Dr. Bezerra à sua tutelada auxiliando-a no desprendimento afetivo do Círculo carnal; Bezerra narra como fez sua passagem. Adelaide realiza sozinha o ato de desenlace do psicossoma deixando a Jerônimo apenas o desatamento final do nó vital ) — André Luiz
  10. A separação do Espírito — Ferdinand
  11. A solução caridosa (O caso Joaquim Finisterra, pai exemplar com dificuldades para administrar os interesses domésticos devido à irreflexão dos filhos e esposa) — Humberto de Campos
  12. Advertência amiga (O homem nunca se prepara à frente do túmulo) — Tancredo Noronha
  13. Advertência fraterna (Conselhos para prepararmos nosso regresso ao mundo dos Espíritos) — Irmão X
  14. Afastamento do corpo — Luiza Xavier
  15. Alma e Desencarnação — André Luiz

    Metamorfose e desencarnação (1)

    Além da histogênese (2)

    O selvagem desencarnado (3)

    Monoideísmo e reencarnação (4)

    Forma carnal (5)

    Desencarnação natural (6)

  16. Amigos novos (Entendimentos entre a equipe do Assistente Jerônimo sobre o programa de auxílio aos amigos prestes a desencarnarem: Dimas, o médium espírita ; Fábio, um esclarecido espiritualista; a senhora Albina, digna adepta da religião presbiteriana; e Irmã Adelaide, devotada e leal obreira do bem ) — André Luiz
  17. Anotação (Por que a desencarnação de crianças, vidas taladas em flor?) — Emmanuel
  18. Auxílio aos desencarnados — Emmanuel
  19. Cada desencarnação é regresso de um lutador [Idem] [Idem] [Idem] — Neio Lúcio
  20. Carlinda (Soneto) — Cornélio Pires
  21. Chico Xavier morre em Uberaba aos 92 anos — Reportagem de Paulo Peixoto da Agência Folha, em Belo Horizonte
  22. Companheiro de regresso (Um espírita que volta para dizer como foi desencarnar subitamente, como lhe aconteceu)  — Antônio Sampaio Júnior
  23. Companheiro libertado (Processo desencarnatório de Dimas, o médium espírita. No cap. 14: Acompanhamento do caso Dimas. Todas as desencarnações de pessoas dignas contam com o amparo de grupos socorristas especializados? E no cap. 15: Desligamento definitivo de Dimas seguido da tomada de consciência inicial no Círculo dos desencarnados. Dimas está definitivamente desencarnado ) — André Luiz
  24. Cremação (Reflexões em torno da questão n° 164 de “O Livro dos Espíritos”: “A perturbação que se segue à separação da alma e do corpo é do mesmo grau e da mesma duração para todos os Espíritos?”) — Emmanuel
  25. Descanso depois da morte — Chico Xavier
  26. Desencarnação (Podemos considerar a desencarnação da alma, em plena infância, como sendo uma punição das Leis Divinas, na maioria das vezes?) — André Luiz
  27. Desencarnação (Soneto) — Castro Menezes
  28. Desencarnação (Soneto) — Olegário Mariano
  29. Desencarnação de favor — Augusto Cezar
  30. Desencarnação do Espírito — André Luiz
  31. Desencarnações coletivas (Sendo Deus a Bondade Infinita, por que permite a morte aflitiva de tantas pessoas enclausuradas e indefesas, como nos casos dos grandes incêndios?) — Emmanuel
  32. Desencarnação precoce — Chico Xavier
  33. Desencarnações prematuras (Versos) — Cornélio Pires
  34. Desencarnados em trevas — Emmanuel
  35. Despedida de Vital (Soneto) — Cornélio Pires
  36. Desprendimento difícil (Acompanhamento do processo desencarnatório de Cavalcante) — André Luiz
  37. Discurso de Victor Hugo junto ao túmulo de uma jovem (Re)
  38. Emancipação além-túmulo (A emancipação espiritual para os que esperam a morte de mãos no arado das obrigações fielmente cumpridas) — Emmanuel
  39. Esclarecimento (Se as almas, em se materializando na Terra, chegam do mundo espiritual, por que as exclamações excessivas de júbilo quando para lá regressam, como se fossem estrangeiros ou filhos adotivos de nova pátria?) — André Luiz
  40. Espíritas desencarnados — Chico Xavier
  41. ExaustãoCaminhadaGrande LarVida novaEnfermeiroViagemChegadaLembrança SofrimentoAmparando entes queridosTrabalhoAbnegaçãoNovo encargo (Versos) — História da desencarnação de Cornélio Pires, por ele mesmo.
  42. Exemplo cristão (Desencarnação de Fábio, espiritualista. A simplicidade do processo desencarnatório de Fábio, rapidamente liberto dos despojos fisiológicos ) — André Luiz
  43. Festas dos bons Espíritos à chegada de um irmão — Felícia (Re)
  44. Janjão (Soneto) — Cornélio Pires
  45. Juquinha (Soneto) — Cornélio Pires
  46. Libertação do corpo — Cornélio Pires
  47. Lincoln e seu assassino (Análise de uma comunicação de Abraão Lincoln, pelo médium de Ravenswood) (Re)
  48. Livre, enfim!… (Soneto) — Sabino Silva
  49. Lugar da caveira (Ninguém poderá escapar à estação de partida. Interpretação da passagem de Mateus 27.33: “E chegando ao lugar chamado Gólgota que se diz: Lugar da Caveira”) — Emmanuel
  50. Morte e desencarnação (Vide a diferença entre ambas)
  51. Nhá Chica (Soneto) — Cornélio Pires
  52. Na senda evolutiva (Espíritos delinquentes ressurgem nas correntes da vida física, reproduzindo no patrimônio congenial as deficiências que adquiriram à face da Lei) — Emmanuel
  53. No limiar da vida além-túmulo — Maria João de Deus

    (1) Primeiras revelações maternas

    (2) Últimos instantes do tormento corporal

    (3) A voz de comando desobedecida

    (4) Como numa atmosfera de sonho

    (5) Na vertigem da retrospecção

    (6) O lar terreno entrevisto do Além

    (7) Ah! Eu morrera…

  54. O Doutor Demeure (Evocado quatro dias depois de sua desencarnação, fala das sensações que experimentou após a morte) (Re)
  55. O Doutor Vignal (Observações à véspera do enterro) (Re)
  56. O Natal do apóstolo (Quando Simão Pedro foi arrancado aos grilhões do cárcere para o derradeiro sacrifício) — Irmão X
  57. O passamento (A passagem desta para a outra vida) (Ci)
  58. O passamento (A passagem desta para a outra vida) (Re)
  59. O tempo (Primeiras impressões de uma alma em sua desencarnação) — J. A. Nogueira
  60. Os que se desencarnam no período infantil são Espíritos mais evoluídos, isentos de luta e provação na Terra? [Idem] — Resposta de Emmanuel
  61. Participação espírita (Do dever espírita de levar em conta o pedido de prece e de orar pelo morto, quando avisado de uma desencarnação) (Re)
  62. Perturbação espiritual (logo após a desencarnação) (Lde)
  63. Pierre Legay, o grande pierrot (Um Espírito que ainda se julga vivo. Em seus comentários no item 6 Kardec afirma: Espíritos que se julgam vivos em vez de constituírem exceção seria quase uma regra, um estado normal para os Espíritos de certa categoria) (Re)
  64. Preleção educativa (de um católico contando o que lhe sucedeu depois da morte) — Manoel da Silva Pinto
  65. Primeiras impressões de um Espírito — Delphine de Girardin (Re)
  66. Primeiros instantes de um morto — G…
  67. Problemas da morte (O regresso aos Planos da Vida Espiritual) — Emmanuel
  68. Qual a impressão do homem no instante da morte? — Resposta de Emmanuel
  69. Quando desencarnarmos — Chico Xavier
  70. Regresso de Simão Pedro (Versos) — Maria Dolores
  71. Rogativa singular (Poderosa súplica intercessória determina uma moratória para a desencarnação da senhora Albina, digna adepta da religião presbiteriana) — André Luiz
  72. Sacerdote católico que fui (Emmanuel faz referência à sua desencarnação como Padre Amaro, que ocorreu no início do séc. XX) — Emmanuel
  73. Senhor Jesus! [Idem] (Prece aos companheiros impelidos à desencarnação violenta) — Emmanuel
  74. Separação da alma e do corpo (Lde)
  75. Sr. Cardon (Instantes finais do Sr. Cardon que havia predito sua morte com dois meses de antecedência) (Re)
  76. Sr. Leclerc (Notícia da desencarnação do Sr. Charles-Julien Leclerc, membro da Sociedade Espírita de Paris, que tinha morado muito tempo no Brasil e aqui aprendido as primeiras noções de Espiritismo) (Re)
  77. Surpresas póstumas — Chico Xavier
  78. Ternura maternal  [Idem] (Sonetos I e II)  (Desencarnação de um poeta)  Carlos D. Fernandes
  79. “Ti” Pedro (Soneto) — Cornélio Pires
  80. TINTINO… O ESPETÁCULO CONTINUA — Francisca Clotilde
  81. Tragédia oculta (O caso do amigo Edmundo Figueiroa e seu relacionamento com os familiares antes e depois de seu decesso) — Humberto de Campos
  82. Transição (A desencarnação de C. Pires) (Soneto) — Cornélio Pires
  83. Uma hora virá (em que a senda terrestre se te revelará sob nova expressão. Hora em que te despedirás de todos os patrimônios que desfrutaste no mundo…) — Emmanuel
  84. Velho João (Soneto) — Cornélio Pires
  85. Voltarás por amor (Dos que pretendem o repouso além da morte) — Emmanuel
  86. Zaranzas no Além — Augusto Cezar
  87. Zeca Leal (Soneto) — Cornélio Pires
OUTRAS REFERÊNCIAS AO TEMA
  1. Desencarnação (En)
  2. Qual a nossa posição, depois de desencarnados, quando não somos integralmente bons, nem integralmente maus? (Lda)
  3. Vide no início do cap. 19 do livro “Obreiros da vida eterna” a constatação do fato de que quando desencarnamos, as unidades celulares de nosso corpo carnal desencarnam também, incorporando-se ao nosso perispírito, desligado de seus despojos carnais.
  4. Vide Obs. de Allan Kardec no artigo A morte do Sr. Bizet, cura de Sétif: A fome entre os Espíritos desencarnados.
  5. Vide no livro “Entre a Terra e o Céu” no cap. 20, item 2: Diferença dos efeitos no psicossoma em duas mortes ocorridas por envenenamento: A de Júlio que suicidara-se ingerindo o tóxico, e a de Esteves que fora envenenado.
  6. Vide no item 5 do cap. 3 do livro “Voltei”: Os fluidos gravitantes dos ambientes domésticos e suas influências nos processos desencarnatórios. No item 3 do cap. 4 do mesmo livro: O resultado positivo do primeiro sono post-mortem defronte ao mar. No item 1 do cap. 6: Reflexões em torno dos liames morais que prendem o recém-desencarnado ao seu círculo vivencial. No item 1 do cap. 7: A necessidade da preparação íntima para a “grande viagem” da desencarnação. No cap. 13, item 1: Os fenômenos recorrentes da repercussão no perispírito das últimas impressões corpóreas do trespasse, e o poder da vontade na solução do problema.

 


 

DESENCARNAÇÃO — Enquanto a morte é o aniquilamento das forças vitais do corpo, a desencarnação, sendo o estado oposto ao de encarnação do Espírito, representa o retorno de todos os seres animados à vida espiritual. KJ

 
AFORISMOS E CITAÇÕES
  1. Nada trouxemos para este mundo e manifesto é que nada podemos levar dele. — Paulo (1 Tim)

  2. Todo aquele que caminha || Chega ao termo da viagem. || Da Terra cheia de sombras || Não leves muita bagagem. — Casimiro Cunha (Cde)Tx13
  3. Um dia, que será noite em teus olhos, deixarás pratos cheios e móveis abarrotados, cofres e enfeites, para a travessia da grande sombra; entretanto, não viajarás de todo nas trevas, porque as migalhas de amor que tiveres distribuído estarão multiplicadas em tuas mãos como bênçãos de luz. — Meimei (Oev)Tx76
  4. A desencarnação sem complexos de culpa é o melhor que pode acontecer a todos aqueles que partem no rumo de vivências novas na Vida Espiritual. — Emmanuel (Ame)Tx154
  5. Desencarnei é verdade || Mas prodígios não me peças || Já tenho a infelicidade || De ver o mundo às avessas. — Raul Pederneiras (Jpv)Tx183
  6. Morreu pedindo uma vela, || Que alguém lhe desse uma luz! || Esqueceu a claridade || Do Evangelho de Jesus! — Corrêa Júnior (Nda)Tx203
  7. A desvinculação, pela nossa retirada do campo físico, equivale a um serviço operatório dos mais decisivos. Não é apenas morrer, segundo os conceitos antigos para ocasiões como a que relembramos. É preciso cortar os fios sutis da alma, parti-los, reacomodá-los em novas dimensões, desligar os pensamentos, transferir as emoções e desfocar as esperanças que nos mantinham a existência. — Maria Helena (Fr)Tx205
  8. Ao me despedir do mundo, || Só confiava na luz || Que sempre enxerguei na vida || Pelos olhos de Jesus. — Catulo da Paixão Cearense (Mv)Tx219
  9. Que poder prodigioso exerce a cruz do Cristo sobre nós nas grandes horas da vida, quando a vida se abeira da morte por violência!… Creio hoje que Jesus terá escolhido a morte assim, sob as pancadas da maldade para fortalecer as criaturas que viessem a cair depois dele, em ciladas e golpes da Terra! — Francisco (Ree)Tx221
  10. A alegria da união apaga o poder do tempo e o amor vence a morte. — Eduardo (Vnv)Tx247
  11. Viveu tão quieto, tão quieto || Que ao morrer, o Lino Porto || Ficou, sem saber, no quarto, || Se era vivo… se era morto… — Lulu Parola (Sp)Tx255
  12. Na hora de anseio e pranto || Quando se busca a outra vida, || A morte não nos dói tanto, || O que dói é a despedida. — Meimei (Sp)Tx255
  13. Por força da natureza, || Na hora da despedida, || A mente encontra a visão || De tudo o que fez na vida. — Pedro Silva (Tf)Tx267
  14. A esposa do agonizante || Rezava a “Salve Rainha”, || Mas ele apenas gritava: || — “Aquela morena é minha!…” — Lulu Parola (Tf)Tx267
  15. Disse o tio a João Rosendo: || — “A paz é o que Deus nos quer…” || E João respondeu, morrendo: || — “Só quero pinga e mulher”. — Cornélio Pires (Tf)Tx267
  16. No estado de coma, às vezes, || A alma volve ao próprio centro, || Não vê o que está por fora, || Mas vê o que traz por dentro. — Manoel Serrador (Tf)Tx267
  17. Na Terra o último ato, || Que se chama “despedida”, || É a morte a tirar retrato || Do quanto se fez na vida. — Auta de Souza (Tf)Tx267
  18. Na Terra, o desencarnado, || Que se coloque em andança, || Fica logo abilolado || A notar tanta mudança. — José da Luz (Fdp)Tx277
  19. O homem é semelhante a uma águia cujas asas estão trancadas no corpo pesado e a desencarnação, quando temos a consciência tranquila, é a liberdade da alma para a jornada evolutiva, em demanda para os cimos da Vida Superior, que nos compete alcançar. — Lincoln (Vi)Tx305
  20. Ao morrer, disse-me calmo || O amigo Lucas Monteiro: || Faço preces para os santos, || Mas confio é no dinheiro. — João Moreira da Silva (Rdl)Tx312
  21. Para largar-me do mundo || E criar novo destino, || Sofri sob o pente grosso, || E agora é no pente fino. — Lulu Parola (Pdp)Tx346
  22. A desencarnação pode ser vida nova, mas não é distância e, pelo coração, prosseguiremos unidos. — André Rogério (Aof)Tx355
  23. Na morte de Adão Carlindo, || Não julgo. Quero lembrar… || Ele deixou três fazendas, || Mas, nada pôde levar. — Cornélio Pires (Fne)Tx361
  24. Quando parti para o Além || — Explico em poucos instantes — || A bagagem do que fiz || Havia chegado antes. — Cornélio Pires (Pza)Tx407
  25. Muita gente sobe aos Céus || Quando a morte dá partida; || E muita gente demora || Nos grandes porões da vida. — Cornélio Pires (Ddv)Tx411
  26. Muito aprendi em mim mesmo || Nesta ocorrência de instantes; || De quem segue para o Além, || A bagagem chega antes. — Cornélio Pires (Ddv)Tx411
  27. “O homem deixou milhões” || Falei ao sábio Jomar: || Disse-me o sábio: “Deixou || Porque não pode levar.” — Cornélio Pires (Trv)Tx422
  28. Ao morrer, disse Romário: || “Volto já…”, falando a custo. || Após seis meses, voltou… || A esposa caiu de susto. — Cornélio Pires (Trv)Tx422