Bible of the WayBíblia do Caminho  † Estudos Espíritas

Índice Página inicial Próximo Capítulo

ESDE — Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita — Programa Fundamental

Módulo VII — Pluralidade dos Mundos Habitados

 

Roteiro 5

 

Diferentes categorias de mundos habitados

 

Objetivo Geral: Possibilitar conhecimento a respeito da existência, da formação e das diversas categorias de mundos habitados.

Objetivos Específicos: Relacionar o ensino dos Espíritos sobre as diferentes categorias de mundos habitados com a expressão evangélica há muitas moradas na casa de meu Pai. — Enumerar as diferentes categorias de mundos habitados, caracterizando-os, segundo o Espiritismo.


 

CONTEÚDO BÁSICO

 

  • São habitados todos os globos que se movem no espaço?

    Sim e o homem terreno está longe de ser, como supõe, o primeiro em inteligência, em bondade e em perfeição. Allan Kardec: O Livro dos Espíritos, questão 55.

  • Há muitas moradas na casa de meu Pai. Jesus — João, 14:2.

  • A casa do Pai é o Universo. As diferentes moradas são os mundos que circulam no espaço infinito e oferecem, aos Espíritos que neles encarnam, moradas correspondentes ao adiantamento dos mesmos Espíritos. Allan Kardec: O Evangelho segundo o Espiritismo. Cap. 3, item 2.

  • Muito […] diferentes umas das outras são as condições dos mundos, quanto ao grau de adiantamento ou de inferioridade dos seus habitantes […]. Nos mundos inferiores, a existência é toda material, reinam soberanas as paixões, sendo quase nula a vida moral. À medida que esta se desenvolve, diminui a influência da matéria, de tal maneira que, nos mundos mais adiantados, a vida é, por assim dizer, toda espiritual. Allan Kardec: O Evangelho segundo o Espiritismo. Cap. 3, item 3.

  • Nos mundos intermédios, misturam-se o bem e o mal, predominando um ou outro, segundo o grau de adiantamento da maioria dos que os habitam. Allan Kardec: O Evangelho segundo o Espiritismo. Cap. 3, item 4.

  • De acordo com a classificação dada por Kardec, os mundos podem ser: […] primitivos, destinados às primeiras encarnações da alma humana; mundos de expiação e provas, onde domina o mal; mundos de regeneração, nos quais as almas que ainda têm o que expiar haurem novas forças, repousando das fadigas da luta; mundos ditosos, onde o bem sobrepuja o mal; mundos celestes ou divinos, habitações de Espíritos, depurados, onde exclusivamente reina o bem. Allan Kardec: O Evangelho segundo o Espiritismo. Cap. 3, item 4.

 


 

SUGESTÕES DIDÁTICAS

 

Introdução:

  • Mostrar um cartaz com a seguinte pergunta: Existe vida em outros planetas?

  • Solicitar à turma que, em grupos de três, troque ideias a respeito do assunto, respondendo à pergunta.

  • Ouvir as respostas dos grupos.

 

Desenvolvimento:

  • Exibir dois cartazes com os seguintes conteúdos:

    1° cartaz: Não se turbe o vosso coração; crede em Deus, crede também em mim. Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito, pois vou  preparar-vos o lugar. Jesus (João, 14:1, 2)

    2° cartaz: São habitados todos os globos que se movem no espaço? Sim e o homem terreno está longe de ser, como supõe, o primeiro em inteligência, em bondade e em perfeição. (O Livro dos Espíritos, questão 55)

  • Em seguida, juntamente com os participantes, relacionar o ensino de Jesus com o do Livro dos Espíritos, enfatizando os seguintes tópicos:

    a) a semelhança desses ensinos;

    b) a diferença da constituição física desses diversos mundos e a consequente diversidade de organização dos seres que os habitam (O Livro dos Espíritos, questões 56 e 57).

  • Trocar ideias com os participantes a respeito das pesquisas científicas em torno deste assunto, baseando-se, inclusive, no resultado da atividade extraclasse. Referir-se, especificamente, às informações transmitidas pelo Espírito Humberto de Campos sobre o planeta Marte (Novas Mensagens, ed. FEB), ressaltando as diferenças de manifestação da vida no Universo, ainda não detectadas pelos instrumentos da nossa Ciência.

  • Dividir a turma em cinco grupos para a leitura dos subsídios do roteiro, devendo cada um deles estudar uma categoria de mundo habitado. Em sequência, cada grupo deverá preparar um resumo referente à categoria de mundo que lhe coube estudar.

  • Pedir aos representantes dos grupos que leiam os resumos elaborados.

  • Prestar os comentários cabíveis.

 

Conclusão:

  • Pedir aos participantes que enumerem as diferentes categorias de mundos habitados, solicitando a um voluntário que as escreva num cartaz, colocado em local visível a todos.

 

Avaliação:

  • O estudo será considerado satisfatório se os participantes souberem: a) relacionar os ensinos de Jesus com o dos Espíritos; b) enumerar e caracterizar as diferentes categorias de mundos habitados.

 

Técnica(s):

  • Zum-zum; exposição dialogada; trabalho em pequenos grupos.

 

Recurso(s):

  • Subsídios do roteiro; cartazes; textos / figuras da internet / revistas; papel; lápis / caneta; pincel atômico; folha de papel pardo ou cartolina.

 


 

SUBSÍDIOS

 

Ensina o Espiritismo que são habitados todos os mundos que existem no Universo […] e o homem terreno está longe de ser […] o primeiro em inteligência, em bondade e em perfeição. (11) Comentando esse assunto, diz Allan Kardec:

Deus povoou de seres vivos os mundos, concorrendo todos esses seres para o objetivo final da Providência. Acreditar que só os haja no planeta que habitamos fora duvidar da sabedoria de Deus, que não fez coisa alguma inútil. Certo, a esses mundos há de ele ter dado uma destinação mais séria do que a de nos recrearem a vista. Aliás, nada há, nem na posição, nem no volume, nem na constituição física da Terra, que possa induzir à suposição de que ela goze do privilégio de ser habitada, com exclusão de tantos milhares de milhões de mundos semelhantes. (11)

Ensinamento semelhante se encontra no Evangelho, quando o Cristo afirma: há muitas moradas na casa de meu Pai. (1) A propósito dessa expressão evangélica, Kardec faz o seguinte comentário: A casa do Pai é o Universo. As diferentes moradas são os mundos que circulam no espaço infinito e oferecem, aos Espíritos que neles encarnam, moradas correspondentes ao adiantamento dos mesmos Espíritos. (2)

Do ensino dado pelos Espíritos, resulta que muito diferentes umas das outras são as condições dos mundos, quanto ao grau de adiantamento ou de inferioridade dos seus habitantes. […] Nos mundos inferiores, a existência é toda material, reinam soberanas as paixões, sendo quase nula a vida moral. À medida que esta se desenvolve, diminui a influência da matéria, de tal maneira que, nos mundos mais adiantados, a vida é, por assim dizer, toda espiritual. (3)

Nos mundos intermédios, misturam-se o bem e o mal, predominando um ou outro, segundo o grau de adiantamento da maioria dos que os habitam. Embora se não possa fazer, dos diversos mundos, uma classificação absoluta, pode-se contudo, em virtude do estado em que se acham e da destinação que trazem, tomando por base os matizes mais salientes, dividi-los, de modo geral, como segue: mundos primitivos, destinados às primeiras encarnações da alma humana; mundos de expiação e provas, onde domina o mal; mundos de regeneração, nos quais as a/mas que ainda têm o que expiar haurem novas forças, repousando das fadigas da luta; mundos ditosos, onde o bem sobrepuja o mal; mundos celestes ou divinos, habitações de Espíritos depurados, onde exclusivamente reina o bem. (4)

 

1. Mundos Primitivos

Tomada a Terra por termo de comparação, pode-se fazer ideia do estado de um mundo inferior, supondo os seus habitantes na condição das raças selvagens ou das nações bárbaras que ainda entre nós se encontram, restos do estado primitivo do nosso orbe. Nos mais atrasados, são de certo modo rudimentares os seres que os habitam. Revestem a forma humana, mas sem nenhuma beleza. Seus instintos não têm a abrandá-los qualquer sentimento de delicadeza ou de benevolência, nem as noções do justo e do injusto. A força bruta é, entre eles, a única lei. Carentes de indústrias e de invenções, passam a vida na conquista de alimentos. Deus, entretanto, a nenhuma de suas criaturas abandona; no fundo das trevas da inteligência jaz, latente, a vaga intuição, mais ou menos desenvolvida, de um Ente supremo. (5)

 

2. Mundos de Expiação e Provas

São mundos onde domina o mal, destinados aos espíritos que necessitam expiar as faltas cometidas em suas encarnações anteriores. A variedade desses mundos é infinita, […] mas revelando todos, como caráter comum, o servirem de lugar de exílio para Espíritos rebeldes à lei de Deus. Esses Espíritos têm aí de lutar, ao mesmo tempo, com a perversidade dos homens e com a inclemência da Natureza, duplo e árduo trabalho que simultaneamente desenvolve as qualidades do coração e as da inteligência. (8)

 

3. Mundos de Regeneração ou Regeneradores

Os mundos regeneradores servem de transição entre os mundos de expiação e os mundos felizes. A alma penitente encontra neles a calma e o repouso e acaba por depurar se. Sem dúvida, em tais mundos o homem ainda se acha sujeito às leis que regem a matéria; a Humanidade experimenta as vossas sensações e desejos, mas liberta das paixões desordenadas de que sois escravos, isenta do orgulho que impõe silêncio ao coração, da inveja que a tortura, do ódio que a sufoca. Em todas as frontes, vê-se escrita a palavra amor perfeita equidade preside às relações sociais, todos reconhecem Deus e tentam caminhar para Ele, cumprindo-lhe as leis.

Nesses mundos, todavia, ainda não existe a felicidade perfeita, mas a aurora da felicidade. O homem lá é ainda de carne e, por isso, sujeito às vicissitudes de que libertos só se acham os seres completamente desmaterializados. Ainda tem de suportar provas, porém, sem as pungentes angústias da expiação. (9)

 

4. Mundos Ditosos ou Felizes

Nos mundos que chegaram a um grau superior, as condições da vida moral e material são muitíssimo diversas […]. Como em toda parte, a forma corpórea aí é sempre a humana, mas embelezada, aperfeiçoada e, sobretudo, purificada. O corpo nada tem da materialidade terrestre e não está, conseguintemente, sujeito às necessidades, nem às doenças ou deteriorações que a predominância da matéria provoca. Mais apurados, os sentidos são aptos a percepções a que neste mundo a grosseria da matéria obsta. A leveza específica do corpo permite locomoção rápida e fácil: em vez de se arrastar penosamente pelo solo, desliza, a bem dizer, pela superfície, ou plana na atmosfera, sem qualquer outro esforço além do da vontade […]. Em lugar de semblantes descorados, abatidos pelos sofrimentos e paixões, a inteligência e a vida cintilam com o fulgor que os pintores hão figurado no nimbo ou auréola dos santos.

A pouca resistência que a matéria oferece a Espíritos já muito adiantados torna rápido o desenvolvimento dos corpos e curta ou quase nula a infância. Isenta de cuidados e angústias, a vida é proporcionalmente muito mais longa do que na Terra. Em princípio, a longevidade guarda proporção com o grau de adiantamento dos mundos. A morte de modo algum acarreta os horrores da decomposição; longe de causar pavor, é considerada uma transformação feliz, por isso que lá não existe a dúvida sobre o porvir. (6)

Nesses mundos venturosos, as relações, sempre amistosas entre os povos, jamais são perturbadas pela ambição, da parte de qualquer deles, de escravizar o seu vizinho, nem pela guerra que daí decorre, […]. A autoridade merece o respeito de todos, porque somente ao mérito é conferida e se exerce sempre com justiça. […] Lá, todos os sentimentos delicados e elevados da natureza humana se acham engrandecidos e purificados; […] um laço de amor e fraternidade prende uns aos outros todos os homens […]. (7)

 

5. Mundos Celestes ou Divinos

Esses mundos são habitados pelos Espíritos puros, aqueles que atingiram a perfeição. Não ficam, contudo, esses Espíritos presos à sua habitação, […] como os homens à Terra; podem, melhor do que os outros, estar em toda parte. (12)

O progresso é lei da Natureza. A essa lei todos os seres da Criação, animados e inanimados, foram submetidos pela bondade de Deus, que quer que tudo se engrandeça e prospere. […] Ao mesmo tempo que todos os seres vivos progridem moralmente, progridem materialmente os mundos em que eles habitam. Quem pudesse acompanhar um mundo em suas diferentes fases, desde o instante em que se aglomeraram os primeiros átomos destinados a constituí-lo, vê-lo-ia a percorrer uma escala incessantemente progressiva, mas de degraus imperceptíveis para cada geração, e a oferecer aos seus habitantes uma morada cada vez mais agradável, à medida que eles próprios avançam na senda do progresso. (10)

 


Referências Bibliográficas:

1. KARDEC, Allan. O Evangelho segundo o Espiritismo. Tradução de Guillon Ribeiro. 124. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005. Cap. 3, item 1, p. 71 .

2. Idem - Item 2, p. 71.

3. Id. - Item 3, p. 72.

4. Id. - Item 4, p. 72-73.

5. Id. - Item 8, p. 74-75.

6. Id. - Item 9, p. 75-76.

7. Id. - Item 10, p. 76.

8. Id. - Item 15, p. 78-79.

9. Id. - (Santo Agostinho), Item 17, p. 79-80.

10. Id. - (Santo Agostinho), Item 19, p. 81.

11. Idem - O Livro dos Espíritos. Tradução de Guillon Ribeiro. 86. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005. Questão 55, p. 69.

12. Id. - Questão 188, p. 127-128.

 

Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.