Bíblia do Caminho  † Estudos Espíritas

Índice Página inicial Próximo Capítulo

ESDE — Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita — Programa Fundamental

Módulo V — Comunicabilidade dos Espíritos

 

Roteiro 1

 

Influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos, e nos acontecimentos da vida

 

Objetivo Geral: Possibilitar entendimento do processo de comunicação dos Espíritos com o mundo corporal.

Objetivos Específicos: Identificar a natureza da influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos, e nos acontecimentos da vida. — Explicar como se processa essa influência. — Indicar a forma de neutralizar as más influências espirituais.


 

CONTEÚDO BÁSICO

 

  • Influem os Espíritos em nossos pensamentos e em nossos atos?

    Muito mais do que imaginais. Influem a tal ponto, que, de ordinário, são eles que vos dirigem. Allan Kardec: O Livro dos Espíritos, questão 459.

  • Como distinguirmos se um pensamento sugerido procede de um bom Espírito ou de um Espírito mau?

    Estudai o caso. Os bons Espíritos só para o bem aconselham. Compete-vos discernir. Allan Kardec: O Livro dos Espíritos, questão 464.

  • Atuando sobre a matéria, podem os Espíritos manifestar se de muitas maneiras diferentes: por efeitos físicos, quais os ruídos e a movimentação de objetos; pela transmissão do pensamento, pela visão, pela audição, pela palavra, pelo tato, pela escrita, pelo desenho, pela música, etc. Numa palavra, por todos os meios que sirvam a pô-los em comunicação com os homens. Allan Kardec: Obras Póstumas. Primeira Parte — Manifestações dos Espíritos, item 14.

  • Por que meio podemos neutralizar a influência dos maus Espíritos?

    Praticando o bem e pondo em Deus toda a vossa confiança […]. Allan Kardec: O Livro dos Espíritos, questão 469.

 


 

SUGESTÕES DIDÁTICAS

 

Introdução:

  • Apresentar o assunto e os objetivos da aula.

  • Mostrar, em transparência ou cartaz, a questão 459 de O Livro dos Espíritos, e solicitar aos participantes que, em grupos de três, comentem o conteúdo da referida questão.

 

Desenvolvimento:

  • Ouvir as ideias expostas pelos grupos, comentando-as. Ressaltar que a possibilidade de os Espíritos nos dirigirem está subordinada ao acolhimento que lhes damos em nossos pensamentos.

  • Dividir a turma em pequenos grupos, que deverão realizar as seguintes tarefas:

    1. Ler os subsídios do roteiro.

    2. Responder às seguintes perguntas:

    a) Como distinguir se um pensamento que nos é sugerido procede de um bom Espírito ou de um Espírito imperfeito?

    b) Qual a relação entre a nossa conduta moral e a natureza da influência que recebemos dos Espíritos?

    c) Dizem os Espíritos Superiores que temos a liberdade de seguir os bons Espíritos ou os Espíritos imperfeitos. Que procedimentos, então, deveremos adotar para atrair a atenção dos bons Espíritos?

  • Ouvir o relato dos grupos, prestando-lhes os esclarecimentos necessários.

  • Explicar como se processa a influência dos Espíritos em nossos pensamentos e atos, e nos acontecimentos da vida.

  • Distribuir entre os participantes cópias da narrativa do Espírito Neio Lúcio intitulada O poder das trevas (Jesus no Lar, item 39), fazendo uma leitura em voz alta da mesma.

  • Destacar, em conjunto com os participantes, pontos significativos da narrativa.

 

Conclusão:

  • Concluir a aula ressaltando a determinação dos Espíritos imperfeitos no sentido de nos atrair para o mal, e a vigilância que devemos ter sobre nós mesmos, a fim de neutralizar-lhes a ação e não perder as oportunidades de progresso que as leis divinas nos oferecem.

 

Avaliação:

  • O estudo será considerado satisfatório se os participantes realizarem corretamente os trabalhos de grupo.

 

Técnica(s):

  • Zum-zum; exposição; trabalho em pequenos grupos; leitura reflexiva.

 

Recurso(s):

  • Cartaz / transparência; textos; papel; lápis / caneta.

 


 

SUBSÍDIOS

 

Allan Kardec pergunta aos Espíritos Superiores:

Influem os Espíritos em nossos pensamentos e em nossos atos?

Muito mais do que imaginais. Influem a tal ponto, que, de ordinário, são eles que vos dirigem. (2)

A resposta dada pelos Espíritos não nos deve causar estranheza, pois, se analisarmos o assunto fazendo uma comparação com o que sucede em nossas relações sociais, chegaremos à conclusão de que vivemos em permanente sintonia com as pessoas que nos rodeiam, familiares ou não, das quais recebemos influenciação por meio das ideias que exteriorizam e dos exemplos que nos dão, do mesmo modo que as influenciamos com as nossas ideias e com a nossa conduta.

O mesmo ocorre, naturalmente, com os habitantes do mundo espiritual, já que são eles os seres humanos desencarnados, que, pelo simples fato de terem deixado o invólucro carnal, nem por isso mudaram a sua maneira de pensar e as características da sua personalidade.

Assim, somos alvo não só da atenção de Benfeitores e Amigos Espirituais ­incluindo entre eles os parentes e amigos desta e de outras reencarnações, os quais, vencendo o túmulo, desejam prosseguir auxiliando-nos — como também daqueles outros a quem prejudicamos com atos de maior ou menor gravidade, nesta ou em anteriores existências, e que nos procuram para cobrar a dívida que com eles contraímos.

Portanto, a resposta dos Espíritos a Kardec nos dá uma noção exata do intercâmbio existente entre os Espíritos desencarnados e encarnados, intercâmbio esse real e constante.

O Espiritismo torna compreensível o processo pelo qual se dá a influência dos Espíritos no mundo corporal. Essa influência tem origem na possibilidade de transmissão do pensamento. Para que entendamos como o pensamento se transmite, […] precisamos conceber mergulhados no fluido universal, que ocupa o espaço, todos os seres, encarnados e desencarnados, tal qual nos achamos, neste mundo, dentro da atmosfera. Esse fluido recebe da vontade uma impulsão; ele é o veículo do pensamento, como o ar o é do som, com a diferença de que as vibrações do ar são circunscritas, ao passo que as do fluido universal se estendem ao infinito. Dirigido, pois, o pensamento para um ser qualquer, na Terra ou no espaço, de encarnado para desencarnado, ou vice-versa, uma corrente fluídica se estabelece entre um e outro, transmitindo de um ao outro o pensamento, como o ar transmite o som. (1)

Ensina ainda a Doutrina Espírita que por meio […] do perispírito é que os Espíritos atuam sobre a matéria inerte […]. Sua natureza etérea [do perispírito] não é que a isso obstaria, pois se sabe que os mais poderosos motores se nos deparam nos fluidos mais rarefeitos e nos mais imponderáveis. Não há, pois, motivo de espanto quando, com essa alavanca [o perispírito], os Espíritos produzem certos efeitos físicos. […]. (7)

Atuando sobre a matéria, podem os Espíritos manifestar se de muitas maneiras diferentes: por efeitos físicos, quais os ruídos e a movimentação de objetos; pela transmissão do pensamento, pela visão, pela audição, pela palavra, pelo tato, pela escrita, pelo desenho, pela música, etc. Numa palavra, por todos os meios que sirvam a pô-los em comunicação com os homens. (8)

Deflui desses ensinamentos que os Espíritos exercem influência nos acontecimentos da vida, por meio da transmissão de pensamento e por sua ação direta no mundo material, tudo, no entanto, dentro das leis da Natureza. (6)

Se a influência dos Espíritos em nossos pensamentos é de tal intensidade que, ordinariamente, são eles que nos dirigem, (2) é preciso saber identificar a natureza dessa influência, a fim de que não atendamos aos alvitres dos Espíritos imperfeitos. Como distinguirmos se um pensamento sugerido procede de um bom Espírito ou de um Espírito mau? — indaga Kardec aos Espíritos Superiores. A resposta dos Benfeitores da Humanidade é um apelo ao nosso bom senso. Dizem eles: Estudai o caso. Os bons Espíritos só para o bem aconselham. Compete-vos discernir. (3)

Os Espíritos imperfeitos são instrumentos próprios a pôr em prova a fé e a constância dos homens na prática do bem. Como Espírito que és, tens que progredir na ciência do infinito. Daí o passares pelas provas do mal, para chegares ao bem. A nossa missão consiste em te colocarmos no bom caminho. Desde que sobre ti atuam influências más, é que as atrais, desejando o mal; porquanto os Espíritos inferiores correm a te auxiliar no mal, logo que desejes praticá-lo. Só quando queiras o mal, podem eles ajudar-te para a prática do mal. Se fores propenso ao assassínio, terás em torno de ti uma nuvem de Espíritos a te alimentarem no íntimo esse pendor. Mas, outros também te cercarão, esforçando-se por te influenciarem para o bem, o que restabelece o equilíbrio da balança e te deixa senhor dos teus atos.

É assim que Deus confia à nossa consciência a escolha do caminho que devamos seguir e a liberdade de ceder a uma ou outra das influências contrárias que se exercem sobre nós. (4)

Assim, compete exclusivamente a nós neutralizar a influência dos Espíritos imperfeitos. Os Espíritos Superiores são bastante claros ao nos indicarem o meio para isso: Praticando o bem e pondo em Deus toda a vossa confiança, repelireis a influência dos Espíritos inferiores e aniquilareis o império que desejem ter sobre vós. Guardai-vos de atender às sugestões dos Espíritos que vos suscitam maus pensamentos, que sopram a discórdia entre vós outros e que vos insuflam as paixões más. Desconfiai especialmente dos que vos exaltam o orgulho, pois que esses vos assaltam pelo lado fraco. Essa a razão por que Jesus, na oração dominical, vos ensinou a dizer. Senhor! Não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal. (5)

O Espiritismo trouxe ensinamentos preciosos sobre a importância da nossa atitude mental no sentido do bem, para que não nos desviemos do caminho que nos compete seguir rumo à perfeição, que é a nossa meta. Desse modo, é preciso aprender a disciplinar os nossos pensamentos, a fim de atrairmos os bons Espíritos, que nos auxiliarão a percorrer esse caminho, tornando-o menos árido, e pleno de realizações espirituais.

 


Referências Bibliográficas:

1. KARDEC, Allan. O Evangelho segundo o Espiritismo. Tradução de Guillon Ribeiro. 124. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005. Cap. 27, item 10, p. 373.

2. O Livro dos Espíritos. Tradução de Guillon Ribeiro. 86. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005. Questão 459, p. 246.

3. Idem - Questão 464, p. 247.

4. Id. - Questão 466, p. 248.

5. Id. - Questão 469, p. 248-249.

6. Id. - Questão 525a, p. 267.

7. Idem - Obras Póstumas. Tradução de Guillon Ribeiro. 38. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005. Primeira parte. Manifestações dos Espíritos. Cap. 1, item 13, p. 46.

8. Idem - Item 14, p. 46.

 

Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

D
W