Bible of the WayBíblia do Caminho  † Estudos Espíritas

Índice Página inicial Próximo Capítulo

ESDE — Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita — Programa Fundamental

Módulo XVI — Lei de Justiça, Amor e Caridade

 

Roteiro 2

 

Caridade e amor ao próximo

 

Objetivo Geral: Possibilitar entendimento da lei de justiça, amor e caridade, destacando a sua supremacia sobre as outras leis naturais.

Objetivos Específicos: Conceituar caridade, do ponto de vista da Doutrina Espírita. — Estabelecer relação entre caridade e amor ao próximo.


 

CONTEÚDO BÁSICO

 

  • Qual o verdadeiro sentido da palavra caridade, como a entendia Jesus? Benevolência para com todos, indulgência para as imperfeições dos outros, perdão das ofensas. Allan Kardec: O Livro dos Espíritos, questão 886.

  • Qual o verdadeiro sentido da palavra caridade, como a entendia Jesus? Benevolência para com todos, indulgência para as imperfeições dos outros, perdão das ofensas. Allan Kardec: O Livro dos Espíritos, questão 886.

  • O amor e a caridade são o complemento da lei de justiça, pois amar o próximo é fazer lhe todo o bem que nos seja possível e que desejáramos nos fosse feito. Tal o sentido destas palavras de Jesus: Amai-vos uns aos outros como irmãos. A caridade, segundo Jesus, não se restringe à esmola, abrange todas as relações em que nos achamos com os nossos semelhantes, sejam eles nossos inferiores, nossos iguais, ou nossos superiores. Allan Kardec: O Livro dos Espíritos, questão 886 - comentário.

  • A lei de justiça, amor e caridade […] é a mais importante, por ser a que faculta ao homem adiantar se mais na vida espiritual, visto que resume todas as outras. Allan Kardec: O Livro dos Espíritos, questão 648.

 


 

SUGESTÕES DIDÁTICAS

 

Introdução:

  • Conceituar caridade, do ponto de vista da Doutrina Espírita (O Livro dos Espíritos, questão 886).

  • Em seguida, pedir a um dos participantes que releia, em voz alta, a mensagem Caridade e Esperança, de Emmanuel (veja anexo do roteiro anterior).

  • Estabelecer relação entre o conceito de caridade e amor ao próximo, emitido pelos Espíritos da Codificação, e as ideias desenvolvidas, por Emmanuel, no texto que foi lido.

 

Desenvolvimento:

  • Pedir então aos participantes que leiam silenciosa e individualmente, os subsídios do roteiro.

  • Após o trabalho individual, pedir-lhes que se organizem em um grande círculo para a discussão sobre o conceito de caridade à luz da Doutrina Espírita, estabelecendo relação entre caridade e amor ao próximo.

 

Conclusão:

 

Avaliação:

  • O estudo será considerado satisfatório se os participantes conseguirem conceituar caridade, do ponto de vista da Doutrina Espírita, e estabelecer relação entre caridade e amor ao próximo.

 

Técnica(s):

  • Exposição; leitura; discussão circular.

 

Recurso(s):

  • O Livro dos Espíritos; O Evangelho segundo o Espiritismo; texto de Emmanuel; subsídios do roteiro.

 


 

SUBSÍDIOS

 

Segundo os Espíritos Superiores, Jesus é […] o tipo mais perfeito que Deus oferecido ao homem, para lhe servir de guia e modelo […]. (4)

Assim, para […] o homem, Jesus constitui o tipo da perfeição moral a que a Humanidade pode aspirar na Terra. Deus no-lo oferece como o mais perfeito modelo e a doutrina que ensinou é a expressão mais pura da lei do Senhor, porque, sendo ele o mais puro de quantos têm aparecido na Terra, o Espírito Divino o animava. (4)

Entende-se, então, que Jesus é o nosso paradigma e que o Evangelho por ele ensinado contém as diretrizes morais para o aperfeiçoamento da humanidade.

À vista disso, Kardec faz a seguinte indagação aos Espíritos Superiores: Qual o verdadeiro sentido da palavra caridade, como a entendia Jesus? (6) E os mensageiros divinos respondem: Benevolência para com todos, indulgência para as imperfeições dos outros, perdão das ofensas. (6)

Pode dizer-se que o conceito de caridade apresentado pelos Espíritos da Codificação é a síntese do programa de assistência moral-material e espiritual exposto, de forma clara e objetiva, pelo Cristo, na passagem evangélica O Grande Julgamento.

Diz Jesus: Ora, quando o filho do homem vier em sua majestade, acompanhado de todos os anjos, sentar-se-á no trono de sua glória; — reunidas diante dele todas as nações, separará uns dos outros, como o pastor separa dos bodes as ovelhas, — e colocará as ovelhas à sua direita e os bodes à sua esquerda. Então, dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai, tomai posse do reino que vos foi preparado desde o princípio do mundo; — porquanto, tive fome e me destes de comer tive sede e me destes de beber careci de teto e me hospedastes; — estive nu e me vestistes; achei-me doente e me visitastes; estive preso e me fostes ver. Então, responder-lhe-ão os justos: Senhor, quando foi que te vimos com fome e te demos de comer, ou com sede e te demos de beber? — Quando foi que te vimos sem teto e te hospedamos; ou despido e te vestimos? — E quando foi que te soubemos doente ou preso e fomos visitar te? — O Rei lhes responderá: Em verdade vos digo, todas as vezes que isso fizestes a um destes mais pequeninos dos meus irmãos, foi a mim mesmo que o fizestes. Dirá em seguida aos que estiverem à sua esquerda: afastai-vos de mim, malditos; ide para o fogo eterno, que foi preparado para o diabo e seus anjos; — porquanto, tive fome e não me destes de comer, tive sede e não me destes de beber; precisei de teto e não me agasalhastes; estive sem roupa e não me vestistes; estive doente e no cárcere e não me visitastes. Também eles replicarão: Senhor, quando foi que te vimos com fome e não te demos de comer, com sede e não te demos de beber, sem teto ou sem roupa, doente ou preso e não te assistimos? — Ele então lhes responderá: Em verdade vos digo: todas as vezes que faltastes com a assistência a um destes mais pequenos, deixastes de tê-la para comigo mesmo. E esses irão para o suplício eterno, e os justos para a vida eterna. (São Mateus, cap. 25, v. 31 a 46) (2)

Ao examinar se a narrativa evangélica em apreço, uma pergunta vem logo à baila: em que se baseou o veredicto do rei? Decerto, não foi em nenhuma questão de ordem material ou religiosa. O julgamento se fundamentou apenas na prestação, ou não, da assistência. É de notar, entretanto, que Jesus não diz, simplesmente: “sois benditos porque ajudastes”. Seria muito impessoal, não realçaria o envolvimento afetivo que deve existir entre as criaturas. Prefere situar o ensino em tomo das necessidades humanas, e, para dar maior força ao ensinamento, coloca-se na situação do carente de assistência, dizendo: tive fome, tive sede, careci de teto, estive nu, achei-me doente, estive preso. Estimula, assim, o sentimento de piedade ou compaixão pelos que sofrem, sentimento esse que é o móvel da prestação da assistência. Ressalte-se, ainda, nessa lição, o que se dá em relação a todos os ensinos de Jesus: a possibilidade de ver através da letra e percebera amplitude da mensagem aí contida. Dessa forma, aqui, com certeza, a fome, a sede e a carência de teto não são apenas materiais, mas abrangem os reclamos afetivos e as ânsias de progresso do Espírito necessitado. De igual modo, a nudez, a doença e a prisão exprimem também os estados de penúria moral, em que a alma se encontra ignorante, debilitada pelas próprias imperfeições, ou cativa dos sentimentos inferiores que ainda carrega consigo. Todas essas situações constituem apelos ao coração, incentivando a prestação da assistência. Os que estavam à direita do Rei foram tocados interiormente e compreenderam o chamamento que lhes fora endereçado. Daí haverem recebido a recompensa merecida. Os que estavam à sua esquerda, entretanto, não sentiram compaixão pelos necessitados, não os ajudaram em suas carências, passando a sofrer as consequências dos seus atos. (9)

Como se vê, a caridade […] segundo Jesus, não se restringe à esmola, abrange todas as relações em que nos achamos com os nossos semelhantes, sejam eles nossos inferiores, nossos iguais, ou nossos superiores. (6) São da sua essência […] os sentimentos de benevolência, de indulgência e de perdão, sentimentos esses que constituem a base da harmonia entre os homens. A exortação à caridade se encontra presente na lição em referência, uma vez que o atendimento ás carências humanas — tanto materiais, como morais ou espirituais — reclama o comprometimento afetivo entre quem ajuda e quem é ajudado, e esse comprometimento apenas se concretiza onde há os sentimentos de benevolência, de indulgência e de perdão. (9)

Pelo exposto, constata-se que a visão da caridade contida no Evangelho foi transportada, pelos Espíritos Superiores, para o Espiritismo, a que revela não haver diferença, entre o conceito de caridade do ponto de vista espírita é o do Cristo, justamente por ele ser o modelo e guia da humanidade.

Sendo assim, da mesma forma que o julgamento da narrativa evangélica acima reproduzida fundamentou-se na prática, ou não, da caridade, o Espiritismo também assevera que fora da caridade não há salvação, uma vez que somente a prática da caridade é capaz de salvar-nos das próprias imperfeições, por libertar-nos do egoísmo, sentimento […] incompatível com a justiça, o amor e a caridade. (7)

Nesse sentido, a mensagem do Espírito Paulo, o apóstolo, contida em O Evangelho segundo o Espiritismo:

Meus filhos, na máxima: Fora da caridade não há salvação, estão encerrados os destinos dos homens, na Terra e no céu; na Terra, porque à sombra desse estandarte eles viverão em paz; no céu, porque os que a houverem praticado acharão graças diante do Senhor. Essa divisa é o facho celeste, a luminosa coluna que guia o homem no deserto da vida, encaminhando-o para a Terra da Promissão. Ela brilha no céu, como auréola santa, na fronte dos eleitos, e, na Terra, se acha gravada no coração daqueles a quem Jesus dirá: Passai à direita, benditos de meu Pai. Reconhecê-los-eis pelo perfume de caridade que espalham em torno de si. Nada exprime com mais exatidão o pensamento de Jesus, nada resume tão bem os deveres do homem, como essa máxima de ordem divina. Não poderia o Espiritismo provar melhor a sua origem, do que apresentando-a como regra, por isso que é um reflexo do mais puro Cristianismo. Levando-a por guia, nunca o homem se transviará. Dedicai-vos, assim, meus amigos, a perscrutar lhe o sentido profundo e as consequências, a descobrir lhe, por vós mesmos, todas as aplicações. Submetei todas as vossas ações ao governo da caridade e a consciência vos responderá. Não só ela evitará que pratiqueis o mal, como também fará que pratiqueis o bem, porquanto uma virtude negativa não basta: é necessária uma virtude ativa. Para fazer se o bem, mister sempre se torna a ação da vontade; para se não praticar o mal, basta as mais das vezes a inércia e a despreocupação […]. Esforçai-vos, pois, para que os vossos irmãos, observando-vos, sejam induzidos a reconhecer que verdadeiro espírita e verdadeiro cristão são uma só e a mesma coisa, dado que todos quantos praticam a caridade são discípulos de Jesus […]. (3)

Todos esses ensinos levam-nos ao entendimento de que a caridade é a própria essência do amor ao próximo, o amor fraternal, uma vez que este sentimento para expressar-se com todo o seu fulgor deve conter os mesmos ingredientes da caridade, isto é, a benevolência, a indulgência e o perdão. “Amar o próximo como a si mesmo: fazer pelos outros o que quereríamos que os outros fizessem por nós” [palavras de Jesus], é a expressão mais completa da caridade, porque resume todos os deveres do homem para com o próximo. Não podemos encontrar guia mais seguro, a tal respeito, que tomar para padrão, do que devemos fazer aos outros, aquilo que para nós desejamos. Com que direito exigiríamos dos nossos semelhantes melhor proceder, mais indulgência, mais benevolência e devotamento para conosco, do que os temos para com eles? A prática dessas máximas tende à destruição do egoísmo. Quando as adotarem para regra de conduta e para base de suas instituições, os homens compreenderão a verdadeira fraternidade e farão que entre eles reinem a paz e a justiça. (1) De fato, a fraternidade pura, ou amor fraternal, […] é o mais sublime dos sistemas de relações entre as almas. (10) A […] fraternidade, na rigorosa acepção do termo, resume todos os deveres dos homens, uns para com os outros. Significa: devotamento, abnegação, tolerância, benevolência, indulgência. É, por excelência, a caridade evangélica. […] (8)

Assim, o […] amor e a caridade são o complemento da lei de justiça, pois amar o próximo é fazer lhe todo o bem que nos seja possível e que desejáramos nos fosse feito. Tal o sentido destas palavras de Jesus: Amai-vos uns aos outros como irmãos. (6) Ressalta-se ainda que a justiça, o amor e a caridade constituem, a rigor, uma só lei, sendo, em verdade, a mais importante de todas as leis naturais, uma vez que […] faculta ao homem adiantar se mais na vida espiritual, visto que resume todas as outras. (5) Todas essas leis, isto é, as de adoração, do trabalho, da reprodução, da conservação, da destruição, da sociedade, do progresso, da igualdade e da liberdade, têm sua fundamentação na lei de justiça, amor e caridade, norteando-se por esta última em todas as suas manifestações no Universo.

 


 

ANEXO

 

Caridade

(Cruz e Souza)

 


Referências Bibliográficas:

1. KARDEC, Allan. O Evangelho segundo o Espiritismo. Tradução de Guillon Ribeiro. 126. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2004. Cap. 11, item 4, p. 203.

2. Idem - Cap. 15, item 1, p. 273-274.

3. Id. - Cap. XV, item 10, p. 281-282.

4. Idem - O Livro dos Espíritos. Tradução de Guillon Ribeiro. 89. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2007. Questão 625, p. 346.

5. Id. - Questão 648, p. 353-354.

6. Id. - Questão 886, p. 457.

7. Id. - Questão 913, p. 470.

8. Idem - Obras Póstumas. Tradução de Guillon Ribeiro. 39. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2006. 1ª parte (Liberdade, igualdade, fraternidade), p. 259.

9. SILVEIRA, José Carlos da Silva. As Características do Serviço de Assistência e Promoção Social Espírita. Reformador, Rio de Janeiro: FEB, ano 119, n° 2063, fevereiro, 2001, p. 28-29.

10. XAVIER, Francisco Cândido. Pão Nosso. Pelo Espírito Emmanuel. 24. Ed. Rio de Janeiro: FEB, 2004. Item 141, p. 294.

 

Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

D
W