Bible of the WayBíblia do Caminho  † Estudos Espíritas

Índice Página inicial Próximo Capítulo

EPM — Estudo e Prática da Mediunidade

PROGRAMA I — MÓDULO DE ESTUDO Nº III
FUNDAMENTAÇÃO ESPÍRITA — MEDIUNIDADE. OBSESSÃO. DESOBSESSÃO.

 

Roteiro 6

 

Desobsessão

 

Objetivos específicos: Explicar como se realiza a desobsessão, segundo os fundamentos do Espiritismo. — Relacionar os requisitos necessários para a melhoria do trabalho de desobsessão no Centro Espírita.


 

SUBSÍDIOS

 

Desobsessão, em sentido amplo, é o processo de regeneração da Humanidade. É o ser humano desvinculando-se do passado sombrio e vencendo a si mesmo. Em sentido restrito, é o tratamento das obsessões, orientado pela Doutrina Espírita. (16) Trata-se de […] um processo de libertação, tanto para o algoz [obsessor] quanto para sua vítima [obsidiado]. (18) Deve ser entendida, ainda, como […] remédio moral específico, arejando os caminhos mentais em que nos cabe agir, imunizando-nos contra os perigos da alienação e estabelecendo vantagens ocultas em nós, para nós e em torno de nós, numa extensão que, por enquanto, não somos capazes de calcular. Através dela, desaparecem doenças fantasmas, empeços obscuros, insucessos, além de obtermos com a seu apoio espiritual mais amplos horizontes ao entendimento da vida e recursos morais inapreciáveis para agir, diante do próximo, com desapego e compreensão. (28)

 

1. PREVENÇÃO DAS OBSESSÕES

 

É importante considerar que em todo processo patológico, seja do corpo físico ou da alma, a prevenção, ou profilaxia, é a base de uma vida sadia. Profilaxia é o conjunto de medidas preventivas que evitam o aparecimento de doenças. No caso da obsessão — sendo esta doença da alma — , a profilaxia é de vital importância. (17) A prevenção de qualquer mal se faz pela prática do bem.

Sendo assim, o […] verdadeiro homem de bem é o que cumpre a lei de justiça, de amor e de caridade, na sua maior pureza. Se ele interroga a consciência sobre os seus próprios atos, a si mesmo perguntará se violou essa lei, se não praticou o mal, se fez todo o bem que podia, se desprezou voluntariamente alguma ocasião de ser útil, se ninguém tem qualquer queixa dele; enfim, se fez a outrem tudo o que desejara lhe fizessem. Deposita fé em Deus, na Sua bondade, na Sua justiça e na Sua sabedoria. Sabe que sem a Sua permissão nada acontece e se Lhe submete à vontade em todas as coisas. […] Sabe que todas as vicissitudes da vida, todas as dores, todas as decepções são provas ou expiações e as aceita sem murmurar. Possuído do sentimento de caridade e de amor ao próximo, faz o bem pelo bem, sem esperar paga alguma; retribui o mal com o bem, toma a defesa do fraco contra o forte, e sacrifica sempre seus interesses à justiça. Encontra satisfação nos benefícios que espalha, nos serviços que presta, no fazer ditosos os outros, nas lágrimas que enxuga, nas consolações que prodigaliza aos aflitos. […] O homem de bem é bom, humano e benevolente para com todos, sem distinção de raças, nem de crenças, porque em todos os homens vê irmãos seus […]. Em todas as circunstâncias, toma por guia a caridade […]. Não alimenta ódio, nem rancor, nem desejo de vingança; a exemplo de Jesus, perdoa e esquece as ofensas e só dos benefícios se lembra, por saber que perdoado lhe será conforme houver perdoado. (2) Estuda suas próprias imperfeições e trabalha incessantemente em combatê-las. Todos os esforços emprega para poder dizer, no dia seguinte, que alguma coisa traz em si de melhor do que na véspera. (3)

 

2. TRATAMENTO DAS OBSESSÕES

 

Tratamento difere de prevenção. Deve ser entendido como aplicação de medidas terapêuticas; terapia. (5) Tratamento pressupõe doação de medidas para combater uma doença em curso. A doutrina que estuda as obsessões, as suas causas preponderantes e predisponentes — o Espiritismo — , possui recursos excepcionais capazes de vencer essa epidemia cruel que, generalizada, invade hoje todos os seus pontos. São eles: o conhecimento das leis da reencarnação, haurido no Evangelho de Jesus Cristo, e nas revelações espíritas, a oração e a humildade, a paciência e a resignação mediante os quais elabora pela iluminação interior a prática da caridade em todas as expressões — meios enobrecedores capazes de poupar o homem das sortidas do seu pretérito culposo, no qual se encontram as causas da sua aflição, retidas nas mãos infelizes dos Espíritos desavisados e perversos que pululam nas regiões inferiores da Erraticidade. (15)

É fundamental, na análise desse processo, compreender o papel que obsidiado e obsessor desempenham. Eis algumas características importantes, a serem observadas com relação ao obsidiado:

 

a) Todo obsidiado é um médium em desequilíbrio, por ser uma pessoa enferma.

 

Por isto mesmo, constitui, em todas as circunstâncias, um caso especial, exigindo muita atenção, prudência e carinho. (29)

 

b) O obsidiado é o principal responsável pela sua cura, a despeito do auxílio recebido.

 

O obsidiado, além de enfermo, representante de outros enfermos, quase sempre é também uma criatura repleta de torturantes problemas espirituais. Se lhe falta vontade firme para a autoeducação, para a disciplina de si mesma, é quase certo que prolongará sua condição dolorosa além da morte. Que acontece a um homem indiferente ao governo do próprio lar? Indubitavelmente será assediado por mil e uma questões, no curso de cada dia, e acabará vencido, convertendo-se em joguete das circunstâncias. Imagine agora que esse homem indiferente esteja cercado de inimigos que ele mesmo criou, adversários que lhe espreitam os menores gestos, tomados de sinistros propósitos, na maioria das vezes… Se não desperta para as realidades da situação, empunhando as armas da resistência e valendo-se do auxílio exterior que lhe é prestado pelos amigos, é razoável que permaneça esmagado. […] Em todos os acontecimentos dessa espécie, porém, não se pode prescindir da adesão dos interessados diretos na cura. Se o obsidiado está satisfeito na posição de desequilíbrio, há que esperar o término de sua cegueira, a redução da rebeldia que lhe é própria ou o afastamento da ignorância que lhe oculta a compreensão da verdade. Ante obstáculos dessa natureza, embora sejamos chamados com fervor por aqueles que amam particularmente os enfermos, nada podemos fazer, senão semear o bem para a colheita do futuro, sem qualquer expectativa de proveito imediato. (30)

Em relação ao obsessor, devemos compreender que se trata de um […] ser que pensa e age movido por uma razão que lhe parece justa. […] O principal mister deve ser o de concentrar no enfermo desencarnado as atenções, tratando-o com bondade e respeito, mesmo que se não esteja de acordo com o que faz. Conquistar para íntima renovação o agente infeliz, porquanto toda ação má procede de quem não está bem, por mais escamoteie e disfarce os sentimentos e o próprio estado […]. Evitar-se a discussão inoperante, forrado de humildade real, na qual transpareça o interesse amoroso pelo bem-estar do outro, que terminará por envolver-se em ondas de confiança e harmonia, de que se beneficiará, mudando de atitude em relação aos propósitos mantidos até então. (13)

O enfermo espiritual geralmente se comunica nas reuniões mediúnicas por meio da psicofonia, forma de mediunidade mais objetiva e produtiva para estabelecimento de diálogo entre os dois planos da vida. Na manifestação dos enfermos espirituais de qualquer natureza, inclusive os obsessores, alguns detalhes merecem ser destacados:

  • O manifestante apresenta sempre […] as deficiências e angústias de que é portador, exigindo a conjugação de bondade e segurança, humildade e vigilância no companheiro que lhe dirige a palavra. (20)

  • […] Natural venhamos a compreender no visitante dessa qualidade um doente, para quem cada frase precisa ser medicamento e bálsamo. Claro que não será possível concordar com todas as exigências que formule; no entanto, não é justo reclamar-lhe entendimento normal de que se acha ainda talvez longe de possuir. (21)

  • Deve ser anulado […] qualquer intento de discussão ou desafio com entidades comunicantes, dando mesmo razão, algumas vezes, aos Espíritos infelizes e obsessores, reconhecendo que nem sempre a desobsessão real consiste em desfazer o processo obsessivo, de imediato, de vez que, em casos diversos, a separação de obsidiado e obsessor deve ser praticada lentamente […]. (22)

  • Quando a tentativa do diálogo revelar-se inoperante, deve ser praticada […] a hipnose construtiva […], no ânimo dos Espíritos sofredores comunicantes, quer usando a sonoterapia para entregá-los à direção e ao tratamento dos instrutores espirituais presentes, efetuando a projeção de quadros mentais proveitosos aos esclarecimentos, improvisando ideias providenciais do ponto de vista de reeducação, quer sugerindo a produção e ministração de medicamentos ou recursos de contenção em favor dos desencarnados que se mostrem menos acessíveis à enfermagem do grupo. (23)

  • A escolha do médium que intermediará a manifestação do enfermo espiritual deve ficar a cargo dos orientadores espirituais, uma vez que conhecem o Espírito comunicante e as possibilidades psíquicas de cada médium. Assim, os esclarecedores encarnados […] não devem constranger os médiuns psicofônicos a receberem os desencarnados presentes, repetindo ordens e sugestões nesse sentido, atentos ao preceito de espontaneidade, fator essencial ao êxito do intercâmbio. (24)

  • A reunião mediúnica de atendimento a sofredores assemelha-se à psicoterapia: deve ser vista como tratamento em grupo. (25)

  • Todo trabalho de esclarecimento com o desencarnado deve ser conduzido para a parte essencial do entendimento, que é atingir o centro de interesse do Espírito preso a ideias fixas, para que se lhe descongestione o campo mental. (25)

  • Os integrantes da reunião, sobretudo os médiuns, deverão estar atentos aos problemas característicos dos Espíritos sofredores manifestantes: os desorientados — devido à recém-desencarnação — ; os suicidas, os homicidas, os perseguidores e vingadores implacáveis os que apresentam zoantropia os vampirizadores etc. (26) Desobsessão não se realiza sem a luz do raciocínio, mas não atinge os fins a que se propõe, sem as fontes profundas do sentimento. (27)

3. O TRABALHO DESOBSESSIVO NOS GRUPOS MEDIÚNICOS

 

Toda e qualquer tarefa, especialmente a que se destina ao socorro, exige equipe hábil adredemente preparada para o ministério a que se dedica. (6) A equipe que se dedica à desobsessão — e tal ministério somente é credor de fé, possuidor de valor, quando realizado em equipe — , que a seu turno se submete à orientação das Equipes Espirituais Superiores, deve estribar-se numa série incontroversa de itens, de cuja observância decorrem os resultados da tarefa a desenvolver-se. (7) Estes itens são os seguintes:

  • Harmonia de conjunto, que se consegue pelo exercício da cordialidade entre os diversos membros que se conhecem e se ajudam na esfera do cotidiano;

  • Elevação de propósitos, a cujo programa cada um se entrega, em regime de abnegação, […] do que decorrem os resultados de natureza espiritual, moral e física dos encarnados e dos desencarnados em socorro; (7)

  • Conhecimento doutrinário, que capacita os médiuns e os doutrinadores, assistentes e participantes do grupo a uma perfeita identificação, mediante a qual se podem resolver os problemas e dificuldades que surgem, a cada instante, no exercício das tarefas desobsessivas;

  • Concentração, por meio de cujo comportamento se dilatam os registros dos instrumentos mediúnicos, facultando a sintonia com os comunicantes […];

  • Conduta moral sadia, em cujas bases estejam insculpidas as instruções evangélicas […];

  • Equilíbrio interior dos médiuns e doutrinadores, uma vez que, somente aqueles que se encontram com a saúde equilibrada estão capacitados para o trabalho em equipe. Pessoas nervosas, versáteis, susceptíveis, bem se depreende, são carentes de auxílio, não se encontrando habilitadas para mais altas realizações, quais as que exigem recolhimento, paciência, afetividade, clima de prece, em esfera de lucidez mental. Não raro, em pleno serviço de socorro aos desencarnados, soam alarmes solicitando atendimento aos membros da Esfera física, que se desequilibram facilmente, deixando-se anestesiar pelos tóxicos do sono fisiológico ou pelas interferências da hipnose espiritual inferior. (8)

Não é recomendável permitir a participação do enfermo encarnado nas reuniões mediúnicas, evitando o confrontamento com seu perseguidor, o que, por certo, lhe trará maiores transtornos. No entanto, se o obsidiado comparece subitamente à reunião, sem aviso prévio, é necessário que o discernimento do conjunto funcione, ativo.

Na maioria dos acontecimentos dessa ordem, o doente e os acompanhantes podem ser admitidos por momentos rápidos, na fase preparatória dos serviços programados, recebendo passes e orientação para que se dirijam a órgãos de assistência ou doutrinação competentes. […] Findo o socorro, breve, retirar-se-ão do recinto. (19)

O obsidiado, de qualquer natureza, deve receber o auxílio magnético-espiritual do passe e da água fluidificada. É necessária a aplicação dos recursos fluídicos, seja através do passe ou da água fluidificada, da oração intercessória com que se vitalizem os núcleos geradores de forças. (13)

  • Solicitar a frequência do irmão às reuniões públicas de estudo doutrinário para iluminação da sua consciência. Ouvindo essas explanações, criará um clima adequado à atuação dos benfeitores espirituais, em benefício próprio e no do seu perseguidor.

  • Atender ao obsidiado em dia e hora previamente especificados para que, por meio do diálogo fraterno, ele seja esclarecido sobre a necessidade de educar-se à luz do Evangelho.

  • Insistir junto a ele com afabilidade, pela transformação moral criando em torno de si condições psíquicas harmônicas, com o que se refará emocionalmente, estimulando-se a contribuir com a parte que lhe diz respeito. (13)

  • Orientá-lo a participar das atividades de assistência social do Centro Espírita.

  • Atraí-lo a ações dignificantes e de beneficência, com o que granjeará simpatias e vibrações positivas, que o fortalecerão, mudando o seu campo psíquico.

  • Estimular-lhe o hábito da oração e da leitura edificante, ao mesmo tempo trabalhando-lhe o caráter, que se deve tornar maleável ao bem e refratário ao vício.

  • As mentes viciosas encharcam-se de vibriões e parasitas extravagantes, dementados pelo desdobrar dos excessos perniciosos. (14) Em todos os casos de obsessão, a prece é o mais poderoso meio de que se dispõe para demover de seus propósitos maléficos o obsessor. (1) Para […] assegurar a libertação da vítima, indispensável se torna que o Espírito perverso seja levado a renunciar aos seus maus desígnios; que se faça que o arrependimento desponte nele, assim como o desejo do bem […]. Pode-se então ter a grata satisfação de libertar um encarnado e de converter um Espírito imperfeito. O trabalho se torna mais fácil quando o obsidiado, compreendendo a sua situação, para ele concorre com a vontade e a prece. (1)

  • A equipe de socorro espiritual do Centro Espírita deve avaliar se o obsidiado necessita ou não de trabalho profissional médico ou psicológico, concomitante ao atendimento espírita. Se a avaliação for favorável, esta deve ser sugerida ao doente. Caso já exista atendimento médico prévio, a equipe do Centro Espírita não deve alterar ou suprimir os medicamentos receitados, em nenhuma hipótese.

Basicamente, este é o trabalho desobsessivo espírita; no entanto, sabemos que as imperfeições morais do obsidiado constituem, frequentemente, um obstáculo à sua libertação. (4)

 

4. A FAMÍLIA DO OBSIDIADO

 

Vinculados aos Espíritos no agrupamento familiar pelas necessidades da evolução em reajustamentos recíprocos, no problema da obsessão, os que acompanham o paciente estão fortemente ligados ao fator predisponente, caso não hajam sido os responsáveis pelo insucesso do passado, agora convocados à cooperação no ajustamento de contas. (9) Por isso, torna-se imprescindível, nos processos de desobsessão, seja a família do paciente alertada para as responsabilidades que lhes dizem respeito, de modo a não transferir ao enfermo toda a culpa ou dele não se desejar libertar, como se a Sabedoria Celeste, ao convocar o calceta ao refazimento, estivesse laborando em erro, produzindo sofrimento naqueles que nada teriam a ver com a problemática do que padece. Tudo é muito sábio nos Códigos Superiores da Vida. Ninguém os desrespeitará impunemente. (10)

A família e os amigos do obsidiado poderão colaborar, por exemplo, da seguinte forma:

  • Cercar o enfermo com manifestações de carinho, atenção e amor;

  • Acompanhá-lo durante o atendimento espírita e, se for o caso, durante o tratamento médico ou psicológico;

  • Envolvê-lo em vibrações harmônicas de prece;

  • Fazer o culto do Evangelho no Lar, favorecendo a participação do enfermo.

O conhecimento da problemática obsessão/desobsessão exige tempo, dedicação e estudo. Nem sempre conseguiremos resultados imediatos. Mister se faz confiar na Divina Providência e insistir. (11) É uma tarefa sacrificial que demanda paciência e humildade como normativas disciplinantes. Considerando, pois, toda essa complexidade que a desobsessão envolve, devemos confiar na misericórdia de Jesus, lembrando que Ele não se impôs a ninguém. Não pretendeu transformar ninguém num só golpe. Semeou sua mensagem de amor, amando sem queixas e sem imposições de qualquer natureza, espalhando, através da renunciação aos gozos terrenos, as bases da felicidade e da paz. E diante dos obsidiados, amando perseguidos e perseguidores, lecionou misericórdia, libertando os obsessos dos seus obsessores, dizendo-lhes, porém, com segurança e sem qualquer retórica: «Não tornes a pecar», como a afirmar que a saúde é bem que nasce no coração e se expande estuante por toda a parte. (12)

Como a desobsessão é um trabalho árduo, que exige dos dirigentes e da equipe devotada a este gênero de atividade no Centro Espírita muita paciência e amor ao próximo, bem como conhecimento doutrinário espírita e experiência no assunto, é importante que alguns requisitos sejam destacados, a fim de que a tarefa produza bons frutos:

  • Dirigentes, médiuns e colaboradores dessa tarefa devem ser pessoas experientes tanto quanto conhecedoras e estudiosas da Doutrina Espírita;

  • Os responsáveis diretos pelo trabalho da desobsessão devem conhecer o processo obsessivo e saber analisá-lo com lucidez, para entenderem a trama em que obsessor e obsidiado estão envolvidos. É importante que remontem às causas que geraram a obsessão;

  • A família ou os amigos próximos do obsidiado devem ser envolvidos no processo de desobsessão;

  • Os responsáveis por essa tarefa, após análise cuidadosa do caso, podem sugerir atendimento médico-psicológico, concomitante à desobsessão.

 


 

GLOSSÁRIO

Calceta — Condenado a trabalhos forçados.

Escamoteia — Que faz desaparecer; que faz levar sumiço; que encobre com subterfúgios.

Psicoterapia — Tratamento de qualquer moléstia, especialmente de desajustes emotivos e transtornos mentais, por meios psicológicos, isto é, pela comunicação verbal ou não com os pacientes, em contraste com a terapêutica baseada em meios físicos ou medicamentos. W

 


Referências Bibliográficas:

1. KARDEC, Allan. A Gênese. Tradução de Guillon Ribeiro. 46. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005. Cap. XIV, item 46, p. 305-306.

2. Idem - O Evangelho segundo o Espiritismo. Tradução de Guillon Ribeiro. 124. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2004. Cap. XVII, item 3, p. 272-273.

3. Idem, ibidem - p. 274.

4. Idem - O Livro dos Médiuns. Tradução de Guillon Ribeiro. 73. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2004. Segunda parte. Cap. XXIII, item 252, p. 318.

5. DICIONÁRIO MÉDICO BLAKISTON. Diversos tradutores. 25 ed. São Paulo: Editora Andrei, 1997, p. 1046.

6. FRANCO, Divaldo Pereira. Grilhões Partidos. Pelo Espírito Manoel Philomeno de Miranda. 3. ed. Salvador [BA]: Alvorada, 1981, p. 13 (A equipe de trabalho).

7. Idem, ibidem - p. 14.

8. Idem, ibidem - p. 15.

9. Idem, ibidem - p. 23.

10. Idem, ibidem - p. 24.

11. Idem - Lampadário Espírita. Pelo Espírito Joanna de Ângelis. 7. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005, Cap. 19 (Desobsessão), p. 83.

12. Idem, ibidem - p. 85-86.

13. Idem - Nas Fronteiras da Loucura. Pelo Espírito Manoel P. de Miranda. Salvador [BA]: Alvorada, 1982, p. 17 (Terapia desobsessiva).

14. Idem, ibidem - p. 18.

15. Idem - Sementes de Vida Eterna. Por diversos Espíritos. Salvador [BA]: Livraria Espírita Alvorada, 1978, p.189 (Mensagem de Eurípedes Barsanulfo).

16. SCHUBERT, Suely Caldas. Obsessão/Desobsessão. 17. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2004. Terceira parte (Reunião de desobsessão), cap. 1 (A Desobsessão), p. 125.

17. Idem, ibidem - Quarta parte (A desobsessão natural), cap. 1 (Profilaxia das obsessões) p. 187. 230

18. Idem - Testemunhos de Chico Xavier. 3. ed. Rio de Janeiro: FEB, 1998. Item: Libertação. Referência ao «Voltei», p. 261.

19. XAVIER, Francisco Cândido e VIEIRA, Waldo. Desobsessão. Pelo Espírito André Luiz. 25. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2004, cap. 23 (Chegada Inesperada do doente), p. 95.

20. Idem - Cap. 32 (Manifestação do enfermo espiritual - 1), p. 125.

21 Idem, ibidem - p. 125-126.

22. Idem - Cap. 33 (Manifestação do enfermo espiritual - 2), p. 129-130.

23. Idem, ibidem - p. 130.

24. Idem - Cap. 34 (Manifestação do enfermo espiritual - 3), p. 133.

25. Idem, ibidem - p. 134.

26. Idem - Cap. 36 (Manifestação do enfermo espiritual - 5), p. 139.

27.  Idem, ibidem - p. 140.

28. Idem - Cap. 64 (Benefícios da desobsessão), p. 222.

29. XAVIER, Francisco Cândido. Missionários da Luz. Pelo Espírito André Luiz. 39. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2004. Cap. 18 (Obsessão), p. 275.

30. Idem, ibidem - p. 379-380.

 

Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

D
W