Bible of the WayBíblia do Caminho  † Estudos Espíritas

Índice Página inicial Próximo Capítulo

EADE — Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita — Religião à luz do Espiritismo

TOMO I — CRISTIANISMO E ESPIRITISMO
Módulo II — O Cristianismo

 

Roteiro 21

 

O apocalipse de João

 

Objetivo: Analisar, sob a ótica da Doutrina Espírita, o Apocalipse de João.


 

IDEIAS PRINCIPAIS

 

O Divino Mestre chama aos Espaços o Espírito João […] e o Apóstolo, atônito e aflito, lê a linguagem simbólica invisível. […] Todos os fatos posteriores à existência de João estão ali previstos. É verdade que frequentemente a descrição apostólica penetra o terreno mais obscuro; vê-se que a sua expressão humana não pôde copiar fielmente a expressão divina das suas visões de palpitante interesse para a história da Humanidade. Emmanuel: A Caminho da Luz, cap. 14.

O autor do apocalipse abre seu livro apresentando-o como uma revelação de Jesus Cristo sobre as coisas que haviam de acontecer, inclusive a futura vinda do Mestre à terra, em Espírito, e cercado da glória de seus anjos. Cairbar Schutel: Interpretação Sintética do Apocalipse, p.16.

 


 

SUBSÍDIOS

 

Introdução

 

Os textos apocalípticos, nos dois séculos que precederam a vinda do Cristo, tiveram muito êxito em alguns ambientes judaicos. Tendo sido anteriormente elaborados pelas visões dos profetas como Esequiel e Zacarias, esse gênero de escritura desenvolveu-se também no livro de Daniel. Apenas um apocalipse ficou registrado no Novo Testamento. Seu autor é o apóstolo João, autor do quarto Evangelho, escrevendo-o quando de seu exílio na ilha de Patmos.

 

No fim do Novo Testamento está a Revelação de João, que, assim como o Livro de Daniel, é um apocalipse, um tipo de literatura conhecido da época. O Apocalipse se compõe de uma série de visões que evocam imagens de uma dramática cena final. Distingue-se do Livro de Daniel, que é seu equivalente apocalíptico judaico, de duas maneiras importantes. Em primeiro lugar, é um livro cristão, no qual Cristo irá assumir definitivamente o controle e vencer o mal; em segundo lugar no Apocalipse o fim do mundo (fim do mal] já começou. Não se trata de algo que ocorrerá num futuro distante. Depois da obra de Jesus pela salvação, já teve início a batalha decisiva entre o bem e o mal. O Apocalipse de João é, pois, mais que uma escritura profética. Redigido durante as perseguições contra os cristãos travadas no reinado do imperador Domiciano (81-96), descreve a situação dos cristãos da época, constantemente ameaçados pelo martírio. Acima de tudo, portanto, é uma escritura consoladora destinada aos cristãos que viviam naquele período atribulado. Nela o Estado romano é chamado de “a besta”, “o dragão” ou “a grande prostituta”. Mas, no embate final Cristo, o Cordeiro, vencerá as forças da escuridão. O livro chega então ao final com uma visão de “um novo céu e uma nova terra”. Com suas imagens nascidas de uma necessidade histórica, o Apocalipse é pouco familiar aos leitores modernos e já recebeu variadas interpretações através dos tempos. Pode-se dizer que nenhum outro livro da Bíblia tem sido tão mal empregado. Com sua fé em Deus claramente expressa, levando a uma vitória final do bem sobre o mal, ele é, mesmo assim, uma conclusão apropriada para a maneira como a Bíblia descreve a grave situação do mundo. (8)

 

1. Orientações para o estudo do Apocalipse

A linguagem simbólica do Apocalipse de João desestimula, em geral, a sua leitura. É possível, porém, torná-la compreensível, observando-se alguns pontos importantes: o entendimento do significado de apocalipse, quanto à etimologia e ao conceito; a visualização do contexto histórico da Igreja nascente, e a razão do advento do Apocalipse.

 

1.1 Significado de apocalipse

 

O termo “apocalipse” é a transcrição duma palavra grega que significa revelação; todo apocalipse supõe, pois, uma revelação que Deus fez aos homens, revelação de coisas ocultas e só por Ele conhecidas, especialmente de coisas referentes ao futuro. É difícil definir exatamente a fronteira que separa o gênero apocalíptico do profético, do qual, de certa forma, ele não é mais que prolongamento; mas enquanto os antigos profetas ouviam as revelações divinas e as transmitiam, oralmente, o autor de um apocalipse recebia suas revelações em forma de visões, que consignava em livro. Por outro lado, tais visões não têm valor por si mesmas, mas pelo simbolismo que encerram, pois em apocalipse tudo ou quase tudo tem valor simbólico: os números, as coisas, as partes do corpo e até os personagens que entram em cena. Ao descrever a visão, o vidente traduz em símbolos as ideias que Deus lhe sugere, procedendo então por acumulação de coisas, cores, números simbólicos, sem se preocupar com a incoerência dos efeitos obtidos. Para entendê-lo, devemos, por isso, apreender a sua técnica e retraduzir em ideias os símbolos que ele propõe, sob pena de falsificar o sentido de sua mensagem. (4)

 

No Livro Como ler o apocalipse, o autor explica o estilo e a forma de escritura do apocalipse.

 

O apocalipse foi […] um modo de escrever muito popular nos dois séculos antes de Cristo e nos dois séculos depois dele. […] O mais importante escritor apocalíptico do Antigo Testamento é o autor do Livro de Daniel. Ele viveu na época da dominação selêucida na Palestina, mas especificamente no tempo de Antíoco Epifanes IV (175-162 a.C.). Esse rei impôs, pela força, a cultura e a religião dos gregos. Esse fato provocou a revolta dos Macabeus. A função do Livro de Daniel era apoiar e incentivara resistência dos Macabeus contra a dominação estrangeira. […] Ninguém podia dizer as coisas às claras. Era necessário usar uma linguagem camuflada, incentivando a resistência e driblando a marcação do poder opressor. (6)

 

Foi assim que surgiu a literatura apocalíptica.

 

1.2 O contexto histórico da Igreja nascente

 

É indispensável inserir o Apocalipse no seu ambiente histórico para compreendê-lo um pouco mais.

 

É […] indispensável […] reinseri-lo no ambiente histórico que lhe deu origem: um período de perturbações e de violentas perseguições contra a Igreja nascente. Pois, do mesmo modo que os apocalipses que o precederam (especialmente o de Daniel) e nos quais manifestamente se inspira, é escrito de circunstância, destinado a reerguer e a robustecer o ânimo dos cristãos, escandalizados, sem dúvida, pelo fato de que perseguição tão violenta se tenha desencadeado contra a Igreja daquele que afirmara: “Não temais, eu venci o mundo” (João, 16:33). (4)

 

No momento em que João escreve o seu livro de visões, a igreja primitiva sofre terrível perseguição de Roma e dos cidadãos do Império Romano (a “Besta”), por instigação de “Satanás” (o adversário, por excelência, do Cristo — ou anticristo). (5) O próprio João se encontrava prisioneiro na Ilha de Patmos, quando escreveu o seu Apocalipse, na época (81-96) do imperador Domiciano. Solidário com os companheiros submetidos aos martírios das perseguições, o Apocalipse de João nos apresenta três conteúdos básicos: o protesto contra as injustiças sociais, o sofrimento que aguardam os perseguidores e a vitória do bem, manifestada no amor do Cristo pela Humanidade.

 

1.3 A razão do advento do Apocalipse de João

 

Alguns anos antes de terminar o primeiro século, após o advento da nova doutrina, já as forças espirituais operam uma análise da situação amargurosa do mundo, em face do porvir. Sob a égide de Jesus, estabelecem novas linhas de progresso para a civilização, assinalando os traços iniciais dos países europeus dos tempos modernos. Roma já não representa, então, para o Plano invisível, senão um foco infeccioso que é preciso neutralizar ou remover. Todas as dádivas do Alto haviam sido desprezadas pela cidade imperial, transformada num vesúvio de paixões e de esgotamentos.

O Divino Mestre chama aos Espaços o Espírito João, que ainda se encontrava preso nos liames da Terra, e o Apóstolo, atônito e aflito, lê a linguagem simbólica do invisível.

Recomenda-lhe o Senhor que entregue os seus conhecimentos ao planeta como advertência a todas as nações e a todos os povos da Terra, e o velho Apóstolo de Patmos transmite aos seus discípulos as advertências extraordinárias do Apocalipse.

Todos os fatos posteriores à existência de João estão ali previstos. É verdade que frequentemente a descrição apostólica penetra o terreno mais obscuro; vê-se que a sua expressão humana não pôde copiar fielmente a expressão divina das suas visões de palpitante interesse para a história da Humanidade. As guerras, as nações futuras, os tormentos porvindouros, o comercialismo, as lutas ideológicas da civilização ocidental, estão ali pormenorizadamente entrevistos. E a figura mais dolorosa, ali relacionada, que ainda hoje se oferece à visão do mundo moderno, é bem aquela da igreja transviada de Roma, simbolizada na besta vestida de púrpura e embriagada com o sangue dos santos. (17)

 

2. Plano geral da obra

 

O apocalipse de João é constituído de um prólogo, de duas partes e de um epílogo.

 

2.1 Prólogo

 

No prólogo (1:1-3), João faz a abertura do seu livro, apresentando-o como uma revelação de Jesus Cristo sobre “as coisas que devem acontecer” (1:1,3). Indica quem são os destinatários: “os servos de Jesus Cristo” (1:1); a forma como a revelação divina se deu: “Ele a manifestou com sinais por meio do seu Anjo, ao seu servo João” (1:1); fornece uma dimensão temporal — ainda que imprecisa — sobre a concretização dos fatos revelados: “o tempo está próximo” (1:3).

 

2.2 Primeira parte (capítulos 1, 2 e 3)

 

A primeira parte do Apocalipse está escrita sob a forma de diálogo. Apresenta três subdivisões: a) saudação às comunidades (1:4-8); b) confiança na ressurreição do Cristo (1:9-20) e c) cartas às sete igrejas da Ásia (2:1-22; 3:1-22). Revela uma ação pastoral do apóstolo para com os cristãos — representados simbolicamente pelas “sete igrejas da Ásia” (1:4) — , e expressa uma mensagem de apoio aos que sofrem perseguições em nome do Cristo.

 

O propósito da mensagem […] é encorajar a comunidade cristã que passa por uma terrível provação: após o magnífico desenvolvimento na época de sua fundação, agora a Igreja parece seriamente ameaçada na unidade de sua fé (movimentos heréticos), na pureza dos costumes (relaxamento da vida religiosa, diminuição da caridade). Devido as perseguições, João pretende sustentar a coragem dos cristãos “até a morte” (2:14), garantindo-lhes a presença divina do Cristo, que vencerá o Dragão. (20)

 

João narra como ocorreu a sua percepção mediúnica.

 

As […]  palavras que ouviu “como a voz de trombeta” (1:10), e a recomendação que teve de se dirigir às “sete igrejas”, representadas por “sete candeeiros”, assistidas por “sete espíritos” (1:10-20). (11)

Cada carta é específica e contém elogios e críticas, advertências e incentivos, como convinha. Mas o plural “igrejas” no final de cada carta mostra que se pretendia que fosse lida por todas as igrejas. (8)

 

“Nessa visão salienta-se “espada de dois gumes” que sai da boca do excelso Espírito (Jesus)”. (11)

 

2.3 Segunda parte (capítulos 4 a 21)

 

Representa a essência da obra, tem um caráter profético-escatológico (previsões sobre o fim do mundo) e abrange duas visões paralelas: a primeira (4, 18; 11,1 [citação incompreensível]) diz respeito aos destinos do mundo; a segunda (11:9; 21:5) informa sobre o futuro da Igreja. (20)

Podemos considerar cinco subdivisões (ou seções) nessa parte: a) introdutória (4:1 — 5:14), fala sobre o trono, o Cordeiro e sobre o livro com sete selos; b) seção dos selos (6:1 — 7:17), são pontos importantes sobre a abertura dos quatro primeiros selos, sobre o clamor dos mártires (quinto selo) e a resposta de Deus ao clamor (sexto selo); c) seção das trombetas (8:1 — 11:14), o toque da trombeta anuncia o julgamento de Deus; d) seção dos três sinais (11:15 — 16:16), são sinais que marcam acontecimentos: o sinal da mulher, o sinal dos dragões e o sinal dos anjos com pragas; e) sessão conclusiva (16:17 — 22:5), mostra que o Cristo julga e vence o mal.

 

No capítulo IV, o autor continua escrevendo sobre a sua visão, cheia de quadros que se desdobram às suas vistas e que representam as letras com que se escrevem as “coisas espirituais”, que as palavras humanas não podem traduzir. A linguagem espiritual se manifesta por meio de símbolos que ferem a imaginação e dão uma ideia relativa das coisas que existem. Entretanto, não podem ser percebidas pelos nossos sentidos materiais, grosseiros. (13)

 

Revela a existência de uma comunidade de Espíritos de puros, representados por “vinte e quatro Anciãos”, os “Espíritos de Deus”, indicados por “sete lâmpadas de fogo”.

O seguinte resumo fornece informações gerais sobre a segunda parte do Apocalipse:

 

A primeira visão começa com a apresentação do trono de Deus (4:1-11) e do Cordeiro vitorioso (5:1-14) e concentra-se em dois motivos: a abertura dos 7 selos (6:1 — 8:1), símbolo da preparação no céu dos flagelos que recairão sobre o mundo (dos primeiros 4 selos sairão os famosos 4 cavalos), e o som das 7 trombetas (8:2 — 11:18) que significam a execução daqueles flagelos na terra. A segunda visão começa com um duplo acontecimento: no céu, a luta do dragão (Satanás) contra a mulher (que representa o povo eleito) (12:1-18); na terra, as duas bestas (que simbolizam o Império Romano e os falsos profetas) (13:1-18). A esta dupla cena contrapõe-se a aparição do Cordeiro no monte Sião  n  seguido da multidão de fiéis (14:1-5). O juízo escatológico é expresso por meio de várias representações: os 7 flagelos e as 7 taças (15 — 16), acompanhados da “condenação da grande Prostituta” (Roma ou nova Babilônia) (17 — 18), depois a vitória sobre as bestas (19:11-21) e sobre o Dragão com que se inaugura o reinado “de mil anos” de Cristo (20:1-10) e por fim a vitória definitiva sobre o mal (20:11 — 25). (20)

 

2.4. O epílogo (22:16-21)

 

No epílogo há uma recomendação severa, uma proibição categórica àqueles que lerem o livro, ou que o reimprimirem, de alterar qualquer coisa do que nele se acha escrito. O apóstolo previa as mistificações sectárias, os enxertos, as mutilações que havia de sofrer a Árvore da Vida, pelos papas e pelos concílios, e ameaçou, severamente, àqueles que modificassem o seu Apocalipse. (16)

 

3. Análise espírita do Apocalipse

 

3.1 As sete igrejas

 

São exemplos de comunidades cristãs cujas características indicam os diferentes tipos de cristãos existentes: Éfeso, Esmirna, Pérgamo, Tiatira, Sardes, Filadélfia, Laodiceia.

 

A igreja de Éfeso, que fora fundada por Paulo, e continuou sendo por muitos séculos um dos principais centros da Igreja Oriental, era zelosa em guardar se contra a heresia, mas carecia de amor cristão, A igreja de Esmirna parece ter resistido bem à importunação (perseguição) e, por vezes, prisão dos seus membros. Pérgamo era um centro religioso importante, com um famoso santuário de Zeus, um templo de Asclépio com uma renomada escola de medicina, e um templo de Augusto; “o trono de Satã” pode designar qualquer um desses, mas provavelmente refere-se ao culto do imperador. […] A igreja de Tiatira abundava em amor e fé, serviço e resignação paciente, mas tolerava os ensinamento malignos de uma profetisa, Jesabel. A igreja de Sardes estava florescendo externamente, mas não sem sério dano para a sua vida espiritual. Filadélfia, por outro lado, era uma cidade em que os cristãos estavam isolados do restante da comunidade, mas a igreja permanecera fiel. Em Laodiceia a igreja parecia estar florescendo, mas era espiritualmente pobre. (9)

 

O conjunto formado pelas sete igrejas, simbolicamente representadas pela luz dos sete candelabros, revela a imagem da Igreja do Cristo, como são na realidade: “[…] com suas heresias, disputas, e fé débil, mas também com sua fé, esperança e amor.” (10)

 

3.2 A besta apocalíptica

 

Refere-se tanto ao Império Romano (o poder constituído que fere, persegue e maltrata) quanto aos falsos profetas — também chamados de “dragão” — , mistificadores que deturpam a mensagem do Evangelho. Emmanuel nos esclarece a respeito do assunto.

 

A […] besta poderia dizer grandezas e blasfêmias por 42 meses, acrescentando que o seu número era o 666 (Apoc. XIII, 5 e 18). Examinando-se a importância dos símbolos naquela época e seguindo o rumo certo das interpretações, podemos tomar cada mês como sendo de 30 anos, em vez de 30 dias, obtendo, desse modo, um período de 1260 anos comuns, justamente o período compreendido entre 610 e 1870, da nossa era, quando o Papado se consolidava, após o seu surgimento, com o imperador Focas, em 607, e o decreto da infalibilidade papal com Pio IX, em 1870, que assinalou a decadência e a ausência de autoridade do Vaticano, em face da evolução científica, filosófica e religiosa da Humanidade.

Quanto ao número 666, sem nos referirmos às interpretações com os números gregos, em seus valores, devemos recorrer aos algarismos romanos, em sua significação, por serem mais divulgados e conhecidos, explicando que é o Sumo-Pontífice da igreja romana quem usa os títulos de VICARIVS GENERALIS DEI IN TERRIS, VICARIVS FILII DEI e DVX CLERI que significam vigário-geral de Deus na Terra, vigário do Filho de Deus e príncipe do clero.

Bastará ao estudioso um pequeno jogo de paciência, somando os algarismos romanos encontrados em cada titulo papal a fim de encontrar a mesma equação de 666, em cada um deles. Vê-se, pois, que o Apocalipse de João tem singular importância para os destinos da Humanidade terrestre. (18)

 

3.3 A espada de dois gumes

 

É o símbolo do poder e da justiça. É a palavra divina, que no dizer de são Paulo, é poderosa arma, com a qual será restabelecido o reinado do Cristo na Terra. É, finalmente, o Evangelho, o Verbo, essa espada que vibra golpes arrojados matando a hipocrisia, aniquilando o erro e defendendo os espíritos de boa vontade na luta terrível das “trevas” contra a “luz”. (12)

 

3.4 A obra divina

 

O céu está representado pelo mar: “um mar de vidro semelhante ao cristal” (4:6). O poder, a criação, a sabedoria e a eternidade são simbolizados, respectivamente, por quatro criaturas viventes: “o leão, o novilho, o homem e a águia voando” (4:7,8). (13)

 

3.5 O livro dos selos

 

O […] “livro do futuro”, que, “fechado” para todos, só podia ser aberto pelo “Cordeiro”, Jesus, o Cristo, que “venceu ao romper os 7 selos”. (5:5) Então, aparece, a João, o “Cordeiro com sete chifres e sete olhos, que são os sete Espíritos de Deus enviados a toda a Terra”. O número sete simboliza a perfeição, é o número completo, dá ideia do desenvolvimento integral do espírito. Vemos sete virtudes, que encarnam a perfeição; as sete cores, os sete sons, as sete formas (cone, triângulo, círculo, elipse, parábola, hipérbole, trapézio); os sete dias etc. O chifre, na velha poesia hebraica, é o símbolo da força. (14)

 

3.6 A abertura dos selos

 

Está escrito assim: “e vi quando o Cordeiro abriu um dos sete selos, e ouvi uma das quatro criaturas viventes dizendo, como em voz de trovão: Vem! Olhei, e eis um cavalo branco, e o que estava montado sobre ele tinha um arco; e foi-lhe dada uma coroa, e ele saiu vencendo e para vencer” (6:1,2). Existem inúmeras interpretações para essas palavras de João: umas mais seguras, outras nem tanto. Não é fácil encontrar um consenso. Podemos, no entanto, dizer que todo o sentido teológico do Apocalipse fundamenta-se em três pilares: Deus, Cristo e a Igreja. Deus é “o Alfa e o Ômega, o Princípio e o Fim” (1:8); é “Aquele que vive nos séculos dos séculos” (10:6); é o “Senhor do Universo” (1:8). Jesus Cristo é o tema central do Apocalipse, que é, verdadeiramente, a sua “revelação”; ele é o Filho do homem, é o Cordeiro imolado que redimiu os homens “de todas as tribos, línguas e povos” (5:9), ao mesmo tempo é o vitorioso sobre os inimigos debelados (19:11-16). Cristo é o “Logos de Deus” (19:13), que está junto de Deus. Os animais citados nos textos, sobretudo os cavalos, ora são interpretados como forças positivas atuando na sociedade, ora são forças negativas, dependendo da interpretação que se lhes dê. (7) Por exemplo: há quem suponha que o cavalo branco e o cavaleiro, portando um arco, citados na abertura do primeiro selo, sejam alusões à ganância — sempre presente na história humana — e, também, aos partos, povo que usava o arco como arma de guerra, criava cavalos brancos e era inimigo dos romanos. (7) Por outro lado, Cairbar Schutel afirma que a abertura do primeiro selo representa a vinda do Espiritismo e que o cavaleiro com o arco teria sido Allan Kardec. (15) Há, porém, um consenso de que o cavalo vermelho do segundo selo simboliza a guerra (6:3); o cavalo negro do terceiro selo representa a fome e a carestia que a guerra acarreta (6:5); o quarto cavalo, o esverdeado, retrata a peste e a morte (6:7). O quinto selo reapresenta os mártires pedindo a Deus justiça para a terra, ou o fim da desordem que campeia no mundo.

Reproduzem o clamor dos justos de todos os tempos, ansiosos de que termine a inversão dos valores na história da humanidade.

 

3.7 A prostituta

 

Na segunda parte do apocalipse aparece, em diferentes capítulos, a figura de duas mulheres, sendo que uma delas está vestida de púrpura escarlate, usa pérolas, tem na mão um cálice cheio de abominações, e em sua testa está escrito: “mistério” “a grande babilônia”; “a prostituta”; “a grande prostituta”. Supõe-se que seja uma alusão à Igreja Católica Romana, em razão de esta ter dado as costas à Lei de Deus e ter incorporado, à mensagem cristã, práticas dos povos pagãos. A propósito, esclarece Emmanuel.

 

A Igreja Católica […], que tomou a si o papel de zeladora das ideias e das realizações cristãs, pouco após o regresso do Divino Mestre às regiões da Luz, falhou lamentavelmente aos seus compromissos sagrados. Desde o concílio ecumênico de Niceia, o Cristianismo vem sendo deturpado pela influenciação dos sacerdotes dessa Igreja, deslumbrados com a visão dos poderes temporais sobre o mundo. Não valeu a missão sacrossanta do iluminado da Úmbria [Francisco de Assis], tentando restabelecer a verdade e a doutrina de piedade e de amor do Crucificado para que se solucionasse o problema milenar da felicidade humana.

As castas, as seitas, as classes religiosas, a intolerância de clericalismo constituíram enormes barreiras a abafarem a voz da realidades cristãs. A moral católica falhou aos seus deveres e às suas finalidades. (19)

 

3.8 O juízo final

 

A doutrina religiosa que trata das “últimas coisas” é conhecida como escatologia. Todas as religiões cristãs, à exceção do Espiritismo, acreditam, pregam e divulgam a ideia do “Juízo ou Julgamento Final”, do “Fim do Mundo ou dos Tempos”. São interpretações literais do Velho e do Novo Testamentos. Neste último, a parábola dos bodes e das ovelhas (Mateus, 25:31-46) é uma das mais citadas.

 

A doutrina de um juízo final, único e universal, pondo fim para sempre à Humanidade, repugna à razão, por implicar a inatividade de Deus, durante a eternidade que precedeu à criação da Terra e durante a eternidade que se seguirá à sua destruição. (1)

Moralmente, um juízo definitivo e sem apelação não condiz com a bondade infinita do Criador, que Jesus nos apresenta de contínuo como um bom Pai, que deixa sempre aberta uma senda para o arrependimento, e que está pronto para estender os braços ao filho pródigo. (2)

 

3.9 A humanidade nova

 

O capítulo 21 nos fala de uma “Jerusalém celeste” ou “Jerusalém libertada”, símbolo da humanidade regenerada. Durante milênios, a humanidade amargou dolorosas provações em razão dos erros cometidos contra a Lei de Deus. Uma geração nova surge, afinal, na Terra. “Nestes tempos, porém, não se trata de uma mudança parcial, de uma renovação limitada a certa região, ou a um povo, a uma raça. Trata-se de um movimento universal, a operar-se no sentido do progresso moral.” (3)

 

 

 

 

ORIENTAÇÃO AO MONITOR: Fazer uma explanação inicial sobre o apocalipse de João, sua organização e finalidades. Sugerir a formação de grupos para estudar e apresentar conclusões dos conteúdos existentes nos itens 2 e 3 dos subsídios deste Roteiro.

 


Referências:

1. KARDEC, Allan. A Gênese. Tradução de Guillon Ribeiro. 46. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005. Cap. 17, item 64, p. 398.

2. Idem - Item 66, p. 399.

3. Idem - Cap. 18, item 6, p. 404.

4. BÍBLIA DE JERUSALÉM. Diversos tradutores. Nova edição, revista e ampliada. São Paulo: Editora Paulus, 2002, p. 2139.

5. Idem, ibidem - p. 2140.

6. BORTOLINI, José. Como ler o Apocalipse. 6.3d. São Paulo: editora Paulus, 2003. Introdução, p. 8.

7. Idem - Segunda parte, cap. 3, p. 58.

8. HELLEN, V., NOTAKER, H. E GAARDER, J. O Livro das Religiões. Tradução de Isa Mara Lando. São Paulo: Companhia das Letra, 2000, item: O apocalipse (ou Revelação), p. 223-224.

9. DICIONÁRIO DA BÍBLIA. Vol. 1: as pessoas e os lugares. Organizado por Bruce M. Metzger, Michael D. Coogan. Tradução de Maria Luiza X. De A. Borges. Rio de Janeiro: Zahar Ed., 2002, p. 295-296 (As sete igrejas).

10. Idem, ibidem - p. 296.

11. SCHUTEL, Cairbar. Interpretação Sintética do Apocalipse. 6. ed. Matão [SP]: 2004. Introdução ao Apocalipse, p. 16.

12. Idem, ibidem - p. 16-17.

13. Idem, ibidem - p. 17.

14. Idem - O Livro dos Sete Selos, p. 19.

15. Idem - O Primeiro Selo p. 21.

16. Idem - Conclusão, p. 105.

17. XAVIER, Francisco Cândido. A Caminho da Luz. Pelo Espírito Emmanuel. 32. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005. Cap. 14 (a edificação cristã), item: o Apocalipse de João, p. 126.

18.  Idem - Item: Identificação da besta apocalíptica, p. 128.

19. Idem - Emmanuel. Pelo Espírito Emmanuel. 24. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2004. Cap. 6 (Pela Revivescência do Cristianismo), item: A falha da igreja romana, p. 44-45.

20. http://www2.uol.com.br/jubilaeum/historia_linha.htm

21. http://www.veritatis.com.br/artigo.asp?pubid=1436

Nota:

22. Sião: outro nome de Jerusalém.

 

Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.