Bíblia do CaminhoTestamento Xavieriano

Índice Página inicial Próximo Capítulo

Vinha de luz — Emmanuel


139


É a santificação

“Santifica-os na verdade.” — JESUS (João, 17.17)


1 Não podemos esquecer que, em se dirigindo ao Pai, nos derradeiros momentos do apostolado, rogou-lhe Jesus santificasse os discípulos que ficariam no Plano carnal.

2 É significativo observar que o Mestre não pediu regalias e facilidades para os continuadores. Não recomendou ao Senhor Supremo situasse os amigos em palácios encantados do prazer, nem os ilhasse em privilégios particularistas. Ao invés disso, suplicou ao Pai para que os santificasse na condição humana.

3 É compreensível, portanto, que os discípulos sinceros recebam da Providência maior quinhão de elementos purificadores em trabalhos e testemunhos benéficos. Na Terra, quase sempre, o dever e a responsabilidade parecem esmagá-los, no entanto, a palavra do Evangelho é bastante clara no terreno das conquistas eternas.

4 Não nos referimos a recompensas banais de periferia. Destacamos o engrandecimento espiritual, a iluminação divina e a perfeição redentora, inacessíveis ainda ao entendimento comum.

5 Em verdade, o Senhor anunciou sacrifícios e sofrimentos aos seguidores, acentuando, porém, que os não deixaria órfãos.

6 Seriam convocados a interrogatórios humilhantes, contudo, não lhes faltaria a Sublime Inspiração.

7 Seguiriam atribulados, mas não angustiados; perseguidos, mas nunca desamparados.

8 Receberiam golpes e decepções, mas não lhes seriam negados a esperança e o reconforto.

9 Suportariam a incompreensão humana, todavia, os desígnios superiores agiriam em favor deles.

10 Sofreriam flagelações no mundo, no entanto, suas dores abasteceriam os celeiros da graça e da consolação para os aflitos.

11 Muita vez, participariam dos últimos lugares, entre as criaturas terrestres, para serem dos primeiros na cooperação com o Divino Trabalhador.

12 Seriam detidos nos cárceres, mas disporiam da presença dos anjos sob cânticos de glorificação.

13 Carregariam cicatrizes por sinais celestes.

14 Tolerariam sarcasmos em honroso serviço à Verdade.

15 Perseguidos e torturados, representariam as cartas palpitantes do Cristo à Humanidade.

16 Servos sofredores e humilhados no campo carnal, marchariam assinalados por luz imperecível.

17 Escalariam calvários de dor, suportando cruzes, encontrando, porém, a ressurreição, coroados de glória.

18 Efetivamente, pois, os colaboradores do Evangelho são, de modo gerai, anônimos e desprezados nas esferas convencionalistas da Terra; todavia, para eles, repete o Mestre, em todos os tempos, as sublimes palavras: “Sois meus amigos porque tudo quanto ouvi de meu Pai vos dei a conhecer.” (Jo)


.Emmanuel


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir