Bíblia do CaminhoTestamento Xavieriano

Índice Página inicial Próximo Capítulo

Vozes do Grande Além — Autores diversos


62


Hora extrema

Na noite de 30 de agosto de 1956, nosso Grupo recebeu, emocionadamente, a visita do Espírito Antônio Nobre, n o inesquecível poeta português que, após controlar as faculdades do médium, expressou-se com intraduzível beleza, transmitindo-nos o soneto abaixo transcrito.


1 — A vida é sombra de ilusão funesta…

Exclamava chorando, ao fim do dia.

— Lodo, miséria e pó, na noite fria…

De toda lide humana é quanto resta.


2 — E o amor, a beleza, e o sol em festa?

— Cinza e nada!… — a mim mesmo respondia.

— E o pesadelo estranho da agonia

Nos tormentos da angústia que me empesta?


3 Pranto e dor estrangulam-me a garganta…

Nisso, porém, a morte calma e santa

Vence o gelo da treva que me invade.


4 Partem-se algemas… Luzes brilham perto.

E, deslumbrado, escuto, enfim liberto,

A divina canção da Eternidade.


.Antônio Nobre


[1] ANTÔNIO NOBRE — Notável poeta luso de fina sensibilidade, desencarnado em Portugal.


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir