Bíblia do Caminho  † Testamento Xavieriano

Índice Página inicial Próximo Capítulo

Segue-me — Emmanuel


24


Problemas do amor

“… que vosso amor cresça cada vez mais no pleno conhecimento e em todo o discernimento.” — PAULO (Filipenses, 1.9)


1 O amor é a força divina do Universo.

2 É imprescindível, porém, muita vigilância para que não a desviemos na justa aplicação.

3 Quando um homem se devota, de maneira absoluta, aos seus cofres perecíveis, essa energia, no coração dele, denomina-se “avareza”; 4 quando se atormenta, de modo exclusivo, pela defesa do que possui, julgando-se o centro da vida, no lugar em que se encontra, essa mesma força converte-se nele em “egoísmo”; 5 quando só vê motivos para louvar o que representa, o que sente e o que faz, com manifesto desrespeito pelos valores alheios, o sentimento que predomina em sua órbita chama-se “inveja”. n

6 Paulo, escrevendo a amorosa comunidade filipense, formula indicação de elevado alcance. Assegura que “o amor deve crescer, cada vez mais, no conhecimento e no discernimento, a fim de que o aprendiz possa aprovar as coisas que são excelentes.”

7 Instruamo-nos, pois, para conhecer.

8 Eduquemo-nos para discernir.

9 Cultura intelectual e aprimoramento moral são imperativos da vida, possibilitando-nos a manifestação do amor, no império da sublimação que nos aproxima de Deus.

10 Atendamos ao conselho apostólico e cresçamos em valores espirituais para a eternidade, porque, muitas vezes, o nosso amor é simplesmente querer e tão somente com o “querer” é possível desfigurar, impensadamente, os mais belos quadros da vida.


.Emmanuel



Essa mensagem foi publicada originalmente em 1956 pela FEB e é a 91.ª do livro “Fonte viva”.  O versículo utilizado para estudo pelo autor espiritual é o (Flp 1.9) e não o (Flp 1.10) conforme se encontra no livro impresso.


[1] No livro impresso esta lição,  a partir deste ponto (entre os indicadores 5 e 6), foi reproduzida acrescida dos três parágrafos seguintes:

“O ódio é, comumente, o amor envenenado de ontem.”

“O ciúme é o amor vestido de espinhos dilacerantes.”

“A soberba é o amor desvairado a si próprio.”


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

 

.

D
W