Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Seara dos médiuns — Emmanuel


56


O lado fraco

Reunião pública de 5 de Agosto de 1960

Item n.° 226, § 10.° de “O Livro dos Médiuns”


1 Não apenas os médiuns. Viste, muita vez, os melhores amigos iludidos na boa-fé.

2 Muitos que se acreditavam resguardados pelo dinheiro caíram em miserabilidade pela exaltação da própria cobiça.

3 Outros, que se supunham inacessíveis à tentação, desceram para as furnas do vício, arrastados pela fraqueza do sentimento.

4 Grandes inteligências, categorizadas por infalíveis, rolaram na lama, por se haverem levantado em pedestais de orgulho.

5 Criaturas que consideravas como sendo poemas de beleza sublime desfiguraram-se à pressa, mostrando máscaras de agonia, pelo abuso do prazer.

6 Pregadores do heroísmo social e doméstico acabaram no suicídio, escorregando na vaidade.

7 Nobres tarefeiros do progresso pararam a máquina da própria ação, em meio do caminho, corroídos pelo desânimo.


8 Ninguém existe, no mundo, invulnerável ao erro.

9 Todos nós, encarnados e desencarnados, em aprimoramento na Terra, somos sujeitos à ilusão, através dos pontos frágeis que apresentemos na construção dos próprios valores para a Vida Maior.

10 Em várias circunstâncias, enganamo-nos, todos, em matéria de posse, em problemas de família, em questões de influência, em convites do sexo, em apelos a honrarias ou em assuntos que se referem à preservação de nosso conforto…

11 Se surpreendes, assim, o companheiro em posição de queda, ajuda-o a reerguer-se para o trabalho digno, sem perda de tempo em comentários inúteis.

12 Se a natureza da falta te parece tão grave que te sentes inclinado à condenação dele, entra no mundo de ti mesmo e pede a Deus te ilumine a alma. E, através da oração, a Bênção Divina te fará perceber onde guardas também contigo a brecha triste do lado fraco.


Emmanuel


.

Abrir