Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Sentinelas da alma — Meimei


16


Oração do padeiro

1 Senhor!…

De espírito reconhecido, volto-me para o teu Infinito Amor, agradecendo o trabalho que me concedeste.

2 Sou padeiro pela bênção de tua misericórdia e, enfornando o pão alheio, ganho honradamente o pão que me reservas.

3 Sê louvado pelo salário com que me beneficias a existência, no entanto, rendo-te graças, acima de tudo, pelas lições com que me clareias o entendimento.

4 Todos os dias, preparo os ingredientes para fazer o pão que nos alimenta, contudo, isso não basta.

5 Reúno o trigo refinado, o fermento, a água e o sal sob a minha rigorosa atenção em doses justas, entretanto, para que o pão apareça é necessário o calor do forno.

6 Fazes-me saber, desse modo que a cultura requintada da inteligência, o fermento da imaginação, a água dos sentidos e o sal do discernimento não são suficientes para me tornarem agente capaz de nutrir ou confortar os outros em tua Criação Divina.

7 O pão necessita do forno, não tão fraco que tenda ao frio, nem tão forte que lembre o fogo. 8 E, de minha parte, para ajudar ao próximo, preciso trazer em mim o necessário calor humano, não morno demais que me leve à distinção inoperante e nem arrojado em excesso que me induza à paixão.


9 Senhor! Compreendo com os ensinos que recebo que, simbolicamente nos climas da Terra, estamos no forno da vida na conquista de maturidade espiritual para servir-te em mais altos planos de elevação, tanto quanto o pão que necessita de temperatura adequada de modo a alcançar a condição em que se torne valioso para uso dos homens.

10 Auxilia-me a ser leal às atribuições que me deste, de modo a que eu distribua o calor do afeto e da compreensão junto dos companheiros da Humanidade no entendimento e no serviço que lhes devo e não consintas que me torne massa inútil no campo de tua obra.


Meimei


.

Abrir