Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Parnaso de Além-Túmulo — Autores diversos


50


Raimundo Corrêa

Nascido a 13 de maio de 1860, a bordo do vapor S. Luiz, na baía de Mangunça litoral do Maranhão, e desencarnado em Paris a 13 de setembro de 1911. Magistrado, membro da Academia Brasileira, além de justo e bom, pode sem favor considerar-se um dos maiores poetas da sua geração.


Sonetos

I

1 Tudo passa no mundo. O homem passa
Atrás dos anos sem compreendê-los;
O tempo e a dor alvejam-lhe os cabelos,
À frouxa luz de uma ventura escassa.


2 Sob o infortúnio sob os atropelos
Da dor que lhe envenena o sonho e a graça,
Rasga-se a fantasia que o enlaça,
E vê morrer seus ideais mais belos!…


3 Longe, porém, das ilusões desfeitas,
Mostra-lhe a morte vidas mais perfeitas,
Depois do pesadelo das mãos frias…


4 E como o anjinho débil que renasce,
Chora, chora e sorri, qual se encontrasse
À luz primeira dos primeiros dias.


II

1 Ah!… se a Terra tivesse o amor, se cada
Homem pensasse no tormento alheio,
Se tudo fosse amor, se cada seio
De mãe nutrisse os órfãos… Se na estrada


2 Do contraste e da dor houvesse o anseio
Do bem, que ampara a vida torturada,
Que jamais viu um raio de alvorada
Dentro da noite eterna que lhe veio


3 Do sofrimento que ninguém conhece…
Ah! se os homens se amassem nessa estância,
A dor então desapareceria…


4 A existência seria a ardente prece
Erguida a Deus do seio da abundância,
Entre os hinos da paz e da alegria.


Raimundo Corrêa


Texto extraído da 6ª edição desse livro. — Revista e ampliada pelos autores espirituais.

.

Abrir