Bible of the WayBíblia do Caminho  † Xavierian TestamentTestamento Xavieriano

Índice Página inicial Próximo Índice

Opúsculos — F. C. Xavier — Carlos Augusto ©

 

9

 

Pingo de luz

 

Identificação

 

CARLOS AUGUSTO, também conhecido pelo nome de Gugu, chama-se Carlos Augusto Ferraz Lacerda, é filho do médico Dr. Oswaldo Lacerda, de saudosa memória e de D. Ynayá Ferraz Lacerda, residente na Capital do Rio de Janeiro. Carlos Augusto faleceu no desabamento do Cine Rink, em Campinas, Estado de São Paulo, em 16 de setembro de 1951. — Nota do Médium.

 


 

PREFÁCIO

 

Leitor Amigo,

Imagina-te numa noite escura, numa estrada invadida de trevas. O lar ainda está distante. Os caminhos se entrecruzam. A bússola está presente, no entanto, em semelhante momento é uma preciosidade revestida de escuridão. Mas lembra-te de alguns fósforos que poupaste e vales-te de um deles acendendo humilde lanterna. Faz-se diminuta chama. É o pingo de luz que te clareia a direção e podes caminhar corretamente.

 

Este livro é comparável no tamanho estreito à lanterna acesa para a marcha. Cada frase ou trecho assemelha-se ao pingo de luz que nos ilumina o pensamento para a diretriz necessária. Pequeno escrínio contendo joias lapidadas por nosso amigo Carlos Augusto, aproveitemos as lições que nos descortina, lembrando as palavras de Jesus o nosso Divino Mestre, quando nos afirmou: (Jo) “…Quem me segue não anda em trevas.”

 

.Emmanuel

 

Uberaba, 20 de janeiro de 1994.

 


 

REFLEXÕES DE CARLOS AUGUSTO

1 Com os jovens do cotidiano, não lhes estranhes as expressões sentimentais quando semelhantes explosões venham a ocorrer.

  Não devemos desconhecer que a juventude na Terra é um caminho difícil de transitar.

 

2 São tantas e tamanhas as pedras da estrada que mais vale a serenidade em qualquer julgamento, porquanto, essa ou aquela apreciação nos momentos delicados, quase sempre, nos arrojam a opiniões precipitadas e imprudentes.

 

3 A vida não cessa de trazer-nos novas lições.

 

4 O amor vence a morte.

  A fé alivia a dor.

 

5 Contemos com a proteção de Jesus e com os calmantes do tempo.

 

6 Muita gente mostra madureza por fora, no entanto, conserva a infantilidade por dentro.

 

7 Somos jardineiros, colhendo rosas no espinheiral, semeadores compelidos a tolerar a lama do solo para que a nossa lavoura produza para o bem e, operários da luz, constrangidos a suportar o assédio da sombra, para que a nossa tarefa se faça proveitosamente cumprida. (Opc)

 

8 Recebamos as pessoas difíceis de nossa estrada na condição de instrumentos de nossa própria melhoria.

 

9 Sei que a dor e a desilusão, de quando em quando, varrem a paisagem de nossa vida, arrebatando-nos flores preciosas que nos prometiam alegria e elevação…

Compreendo quanta aflição nos assalta em semelhantes lance da existência, contudo, é necessário nos sintamos resguardados na calma e na perseverança no bem.

 

10 Emergimos do passado com lutas enormes por vencer.

 

11 A jornada para a Vida Superior é qual se fosse grande assembleia de viajores que começam juntos elevado empreendimento, é a integração com Jesus. No primeiro instante, muita gente… Nas primeiras horas, festividade e júbilo, afirmações e promessas… Depois, a caravana escasseia em quantidade… Só a qualidade persevera… E ante as inquietações e responsabilidades que se aliam ao regozijo fácil, permanecem apenas aqueles que fazem da Cruz do Divino Mestre o motivo central da vida, peregrinando com firmeza e fidelidade ao encontro da própria redenção. (Opc)

 

12 Para vencer os obstáculos da estrada que se nos descerra ante os nossos objetivos de elevação, é preciso servir sem desanimar e compreender sem exigência.

 

13 Confiemos no Cristo, a fim de que o Cristo confie em nós.

 

14 A vitória espiritual no Plano Físico reclama o esquecimento de toda sombra, para que a luz não nos encontre inabordáveis. (Opc)

 

15 Em qualquer dificuldade, asilemos o pensamento na oração.

Ante a luz da prece, os problemas se reduzem e a paz triunfa. (Opc)

 

16 Sigamos com firmeza na realização de nossos ideais mas sem pressa…

 

17 Por agora, nossa peregrinação na Terra árida não consegue divisar o esplendor da meta…

  Há muita neblina de inquietação e ansiedade, entre nós…

  Apesar disso, caminhemos…

 

18 Saudade é anseio sem ser angústia, sede espiritual sem ser desespero. (Opc)

 

19 Não existe problema sem razão.

Não existe grande sofrimento cujas causas não se entrelacem à distância.

 

20 Em conjunto adquirimos débitos que, no conjunto, sob o nome de família, devemos ressarcir.

 

21 Atendamos às exigências das provas inevitáveis, recebendo na dor a presença de uma instrutora necessária.

 

22 Realizaremos o melhor, oferecendo o melhor de nós mesmos aos companheiras mais necessitados do que nós, que nos esperam no caminho em que transitamos.

 

23 O serviço de nosso próprio burilamento íntimo é obra essencial que nos cabe realizar.

E esse trabalho não pode ser efetuado senão na oficina da adversidade, em cuja forja de tentação e sofrimentos, problemas e lutas consolidamos a nossa fé.

 

24 Tenhamos o espírito em dia com o entendimento e a paciência.

Todas as sombras se desfarão. E a desarmonia é comparável à nuvem que acaba sempre por dissolver-se ao toque da energia solar.

 

25 Nas boas obras, a questão mais grave se resume no verbo continuar, de vez que é difícil, pois, em qualquer obra digna, consagrada à beneficência, tão logo começada, aparecem os espinhos e problemas.

 

26 Onde estivermos, necessitamos de amor para compreender, paciência para servir sem reclamar, humildade para construir e coragem para aceitarmos os desígnios da Vida Superior, a fim de que a paz possível nos fortaleça.

 

27 Surgem para nós, na Terra, problemas e questões, comparáveis à sombra. E compreendamos que dentro da noite, qualquer movimentação é difícil.

Por mais acendamos a lâmpada, com a luz de nossas possibilidades reduzidas, há sempre trevas por todos os lados, desfavorecendo-nos a visão. A alvorada de um novo dia, porém, chegará sempre.

 

28 Tolere com paciência as desilusões e os desencontros da caminhada.

Não desanime, nem desfaleça. Os homens são os homens, mas Jesus é o nosso Divino Mestre.

 

29 A distância faz a separação e a separação traz o sofrimento.

A saudade de alguém segue para o coração desse alguém, com endereço exato, através das ondas que evoluem de alma para alma.

 

30 Correm os dias, multiplicam-se as experiências, surgem provações, mas o amor é inalterável.

 

31 A plantação de valores para a Vida Espiritual será realmente regada a suor e lágrimas se pretendemos obter a sublimação no campo íntimo.

 

32 Nos trechos espinhosos do caminho a seguir, procuremos servir e saibamos pensar.

 

33 No Mais Além igualmente, há dificuldades, enganos, desacertos e inibições, mas é preciso continuar trabalhando para conquistar o triunfo sobre nós mesmos…

 

34 Com a esperança, as águas caminham para a vastidão das grandes águas e, através dela, avançamos do berço para as experiências maiores.

 

35 Esmorecer é dificultar ou perder.

 

36 O perigo no caminho que fomos chamados a trilhar é aquele das companhias menos desejáveis que habitualmente nos alteram os propósitos e os pensamentos, sem que tenhamos imediata consciência de sua influenciação.

 

37 Quanto mais intenso se nos fizer o esforço de agir, segundo os ensinamentos de Jesus, mais ampla assistência receberemos de Jesus para a concretização de nossos projetos.

 

38 Não nos encontramos reunidos por acaso nas ações e provações da atualidade…

  O hoje é um eco do ontem

 

39 Quantos dissabores serão evitados com a medicação preventiva da prece!…

 

40 O exemplo nobre é o capítulo mais luminoso no livro de nossa vida…

 

.Carlos Augusto

 

Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.