Bible of the WayBíblia do Caminho  † Xavierian TestamentTestamento Xavieriano

Índice Página inicial Próximo Capítulo

Novo mundo — Entrevistas — Emmanuel

 

2

 

Entrevista ao jornal “O Espírita Mineiro”

(“O Espírita Mineiro”; Belo Horizonte, Minas — set/dez. 1978).

 

1. — Qual a opinião dos Benfeitores Espirituais sobre o chamado “bebê de proveta”, recentemente obtido na Inglaterra?

— Os Amigos da Espiritualidade consideram a realização com o melhor otimismo, desde que o óvulo fertilizado em proveta por autoridades competentes, para implantação no claustro feminino, revele senso de maturidade espiritual na mulher que assume a maternidade consciente, em plenitude de responsabilidade ante a vida que passa a acalentar no regaço próprio.

 

2. — Isso significará progresso na estrada humana?

Sim, porque, enquanto o homem estiver socorrendo a mulher que aspira a ser mãe, aceitando voluntariamente os encargos decorrentes dessa tarefa, a Ciência terrestre estará colaborando com a natureza amparando-lhe os processos de autopreservação.

 

3. — O homem age corretamente entrando, qual vem fazendo, nesses problemas da genética?

— O homem cumpre um dever cooperando com a natureza nesse sentido, abstendo-se de experiências extravagantes que não teriam razão de ser.

Aliás, a Divina Sabedoria oferece ao homem determinados recursos de evolução que o próprio homem se vê impulsionado a aperfeiçoar.

Descoberto o fogo, a inteligência terrestre esmerou-se em aprender como aproveitá-lo.

Conquistada a força elétrica, a Ciência, até agora, ainda lhe estuda os efeitos e aplicações.

 

4. — O Plano Espiritual possui razões específicas para apoiar a gestação da criança de proveta?

— Uma dessas razões, mais que justas, será observar na mulher a disposição à maternidade, atendendo mais à ação que ao instinto.

Outro motivo para desejarmos todos amplos sucessos nessas experiências, será a diminuição nos processos de aborto nos quais milhares de criaturas se empenham a débitos complicados, prejudicando amigos desencarnados em vias de novo nascimento no Plano Físico e prejudicando a si mesmas.

 

5. — A intervenção do homem na embriologia não trará ensanchas a experiências infelizes?

— Quando destacamos a excelência da colaboração humana na gênese do corpo, com a fertilização do óvulo feminino em proveta, a fim de que o ovo seja entregue à nidação no claustro materno, não nos reportamos aos experimentadores cruéis, capazes de provocar fenômenos teratológicos, de vez que semelhantes inteligências, conforme esperamos, serão controladas pelas autoridades chamadas a legislar no relacionamento entre as criaturas.

 

6. — Os Amigos Espirituais consideram a possibilidade da Ciência criar um aparelhamento especial que substitua o claustro materno em suas funções?

— A Ciência indiscutivelmente poderá chegar até lá, no entanto, por muito tempo ainda, será prudente permanecer o homem no aperfeiçoamento da fertilização do óvulo para a condução do ovo ao ninho maternal.

Nesse sentido é muito provável vejamos na Terra as amas de gestação, como já se conhecem as amas de leite ou as amas guardiãs da criança.

Observando-se o assunto, nas implicações remotas que ele envolve, as amas de gestação deverão ser, decerto, submetidas a testes de afinidade, saúde, empatia e resistência física, antes de se lhe contratarem os serviços atinentes à formação dos nascituros. Isso é mais que natural, sem que haja qualquer diminuição do amor entre pais e filhos.

 

.Francisco Cândido Xavier

.Emmanuel

 

Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

 

.

D
W