Bíblia do Caminho  † Testamento Xavieriano

Índice Página inicial Próximo Capítulo

No Mundo Maior — André Luiz

 

Na jornada evolutiva

1 Dos quatro cantos da Terra diariamente partem viajores humanos, aos milhares, demandando o país da Morte. 2 Vão-se de ilustres centros da cultura europeia, de tumultuárias cidades americanas, de velhos círculos asiáticos, de ásperos climas africanos. Procedem das metrópoles, das vilas, dos campos…

3 Raros viveram nos montes da sublimação, vinculados aos deveres nobilitantes. 4 A maioria constitui-se de menores de espírito, em luta pela outorga de títulos que lhes exaltem a personalidade. 5 Não chegaram a ser homens completos. 6 Atravessaram o “mare magnum” da humanidade em contínua experimentação. 7 Muita vez, acomodaram-se com os vícios de toda a sorte, demorando voluntariamente nos trilhos da insensatez. 8 Apesar disso, porém, quase sempre se atribuíam a indébita condição de “eleitos da Providência”; e, cristalizados em tal suposição, aplicavam a justiça ao próximo, sem se compenetrarem das próprias faltas, esperando um paraíso de graças para si e um inferno de intérmino tormento para os outros. 9 Quando perdidos nos intrincados meandros do materialismo cego, fiavam, sem justificativa, que no túmulo se lhes encerraria a memória; 10 e, se filiados a escolas religiosas, raros excetuados, contavam, levianos e inconsequentes, com privilégios que jamais nada fizeram por merecer.

11 Onde albergar a estranha e infinita caravana? como designar a mesma estação de destino a viajantes de cultura, posição e bagagem tão diversas?

12 Perante a Suprema Justiça, o malgache e o inglês fruem dos mesmos direitos. 13 Provavelmente, porém, estarão distanciados entre si, pela conduta individual, diante da Lei Divina, que distingue, invariavelmente, a virtude e o crime, o trabalho e a ociosidade, a verdade e a simulação, a boa vontade e a indiferença. 14 Da contínua peregrinação do sepulcro, participam, todavia, santos e malfeitores, homens diligentes e homens preguiçosos.

15 Como avaliar por bitola única recipientes heterogêneos? 16 Considerando, porém, nossa origem comum, não somos todos filhos do mesmo Pai? 17 E por que motivo fulminar com inapelável condenação os delinquentes, se o dicionário divino inscreve a letras de fogo as palavras “regeneração”, “amor” e “misericórdia”? 18 Determinaria o Senhor o cultivo compulsório da esperança entre as criaturas, ao passo que Ele mesmo, de Sua parte, desesperaria? 19 Glorificaria a boa vontade, entre os homens, e conservar-se-ia no cárcere escuro da negação? 20 O selvagem que haja eliminado os semelhantes, a flechadas, teria recebido no mundo as mesmas oportunidades de aprender que felicitam o europeu supercivilizado, que extermina o próximo à metralhadora? estariam ambos preparados ao ingresso definitivo no paraíso de bem-aventurança infindável tão somente pelo batismo simbólico ou graças a tardio arrependimento no leito de morte?

21 A lógica e o bom-senso nem sempre se compadecem com argumentos teológicos imutáveis. 22 A vida nunca interrompe atividades naturais, por imposição de dogmas estatuídos de artifício. 23 E, se mera obra de arte humana, cujo termo é a bolorenta placidez dos museus, exige a paciência de anos para ser empreendida e realizada, que dizer da obra sublime do aperfeiçoamento da alma, destinada a glórias imarcescíveis?

24 Vários companheiros de ideal estranham a cooperação de André Luiz, que nos tece informações sobre alguns setores das Esferas mais próximas ao comum dos mortais.

25 Iludidos na teoria do menor esforço, inexistente nos Círculos elevados, contavam com preeminência pessoal, sem nenhum testemunho de serviço e distantes do trabalho digno, em um Céu de gozos contemplativos, exuberante de conforto melífico. 26 Prefeririam a despreocupação das galerias, em beatitude permanente, onde a grandeza divina se limitaria a prodigiosos espetáculos, cujos números mais surpreendentes estariam a cargo dos Espíritos Superiores, convertidos em jograis de vestidura brilhante.

27 A missão de André Luiz é, porém, a de revelar os tesouros de que somos herdeiros felizes na Eternidade, riquezas imperecíveis; em cuja posse jamais entraremos sem a indispensável aquisição de Sabedoria e de Amor.

28 Para isto, não lidamos em milagrosos laboratórios de felicidade improvisada, onde se adquiram dotes de vil preço e ordinárias asas de cera. 29 Somos filhos de Deus, em crescimento. 30 Seja nos campos de forças condensadas, quais os da luta física, seja nas Esferas de energias sutis, quais as do Plano superior, os ascendentes que nos presidem os destinos são de ordem evolutiva, pura e simples, com indefectível justiça a seguir-nos de perto, à claridade gloriosa e compassiva do Divino Amor.

31 A morte a ninguém propiciará passaporte gratuito para a ventura celeste. Nunca promoverá compulsoriamente homens a anjos. 32 Cada criatura transporá essa aduana da eternidade com a exclusiva bagagem do que houver semeado, e aprenderá que a ordem e a hierarquia, a paz do trabalho edificante, são característicos imutáveis da Lei, em toda parte.

33 Ninguém, depois do sepulcro, gozará de um descanso a que não tenha feito jus, porque “o Reino do Senhor não vem com aparências externas”. (Lc)

34 Os companheiros que compreendem, na experiência humana, a escada sublime, cujos degraus há que vencer a preço de suor, com o proveito das bênçãos celestiais, dentro da prática incessante do bem, não se surpreenderão com as narrativas do mensageiro interessado no servir por amor. 35 Sabem eles que não teriam recebido o dom da vida para matar o tempo, nem a dádiva da fé para confundir os semelhantes, absorvidos, que se acham, na execução dos Divinos Desígnios. 36 Todavia, aos crentes do favoritismo, presos à teia de velhas ilusões, ainda quando se apresentem com os mais respeitáveis títulos, as afirmativas do emissário fraternal provocarão descontentamento e perplexidade.

37 É natural, porém: cada lavrador respira o ar do campo que escolheu.

38 Para todos, contudo, exoramos a bênção do Eterno: tanto para eles, quanto para nós.

 

.Emmanuel

 

Pedro Leopoldo, 25 de março de 1947.

 

Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

 

.

D
W