Bíblia do CaminhoTestamento Xavieriano

Índice Página inicial Próximo Capítulo

Na era do Espírito — Autores diversos — F. C. Xavier / J. Herculano Pires


10


Os Poetas Cearenses

.Chico Xavier


“Em uma de nossas reuniões públicas tivemos a satisfação da companhia de alguns amigos cearenses. Compartilharam da nossa visita habitual de sábado à noite a vários lares e conversamos animadamente sobre as lutas que todos estamos atravessando na vida prática. Dificuldades de adaptação ao trabalhe, necessidade de compreensão das realidades do Espírito; provas no campo afetivo e imperativos de renovação íntima.

Na fase terminal de nossa reunião, isto é, ao término das visitas empreendidas, O Evangelho Segundo o Espiritismo (Ev) nos ofereceu para estudo os itens 3 e 4 do capítulo XXV “Buscai e achareis”. E depois dos comentários feitos, não apenas um comunicante, mas vários nos trouxeram em trovas as opiniões do Mundo Espiritual. Dois dos amigos cearenses declararam que todos os poetas comunicantes são conhecidos e residiram no Estado do Ceará.”


VIDA PRÁTICA

  1 Na grande escola da vida,

  Que Deus formou para o bem,

  Não há nota por engano

  Nem férias para ninguém.

.Tibúrcio de Freitas


  2 Aceita com paciência

  A provação que te alcança,

  Ninguém se aperfeiçoaria

  Se não houvesse mudança.

.Antônio Bezerra


  3 Sábia sentença da vida

  Que serve em qualquer lugar:

  Derrota não é fraqueza,

  Fraqueza é desanimar.

.Almeida Braga


  4 Se caíste, ergue-te, anda,

  Corrige-te e serve; em suma,

  Unicamente não erra

  Quem nunca faz coisa alguma.

.Adolfo Caminha


  5 Perfeição? Notei-a clara

  Numa lição de fazenda:

  A cana só faz açúcar

  Apertada na moenda.

.Valdemiro Cavalcanti


  6 Conselho dos Altos Céus

  Que todos entenderão:

  Sem amor ninguém consegue

  A própria libertação.

.Carlos Vítor


  7 Quem educa, em se educando

  Não abraça fantasia.

  Quem guia não se embriaga,

  Quem se embriaga não guia.

.João Paiva


  8 Duas classes de pessoas

  Que não encontram a paz:

  Uma sabe e não ensina,

  A outra ensina e não faz.

.José Carvalho


  9 Um lembrete de valor

  Para os tropeços que levas:

  Trabalho aplaina caminho,

  Amor elimina as trevas.

.Lopes Filho


  10 Recordemos, caro amigo,

  Nos problemas teus e meus:

  Deus ajuda a quem trabalha,

  Quem trabalha serve a Deus.

.Luís Sá


A LEI DO TRABALHO


.Irmão Saulo


Quando lemos em O Livro dos Espíritos (Lde) o capítulo referente à lei do trabalho, compreendemos que ele não nos foi imposto como castigo, mas como necessidade. O mesmo nos diz O Evangelho Segundo o Espiritismo (Ev) nos trechos mencionados por Chico Xavier. Necessitamos do trabalho para o desenvolvimento de nossas potencialidades vitais e espirituais. É trabalhando que modificamos o mundo e é pelo trabalho que o mundo nos modifica. Essa reciprocidade de ação e reação constitui a dialética da evolução humana. O trabalho, portanto, não é castigo, não é condenação — é necessidade vital do homem e constitui para todos nós um imperativo do progresso.

Os dez poetas cearenses, que transmitiram suas trovas através da mediunidade de Chico Xavier, não estão mais na vida física. São espíritos, mas como espíritos continuam a trabalhar. Porque, como Jesus ensinou e podemos vê-lo no Evangelho, nem mesmo Deus jamais parou de trabalhar. Os poetas trabalharam suas trovas, trabalharam para transmiti-las e o médium trabalhou para recebê-las. A seguir, houve o trabalho de datilografia, a remessa pelo correio, a carta de Chico a respeito, este comentário, a composição linotípica, a revisão de provas, a impressão e outros esforços subsequentes.

Trabalho que começou no Plano espiritual e veio expandir-se nas atividades terrenas, no Plano material. Trabalho que desceu do Céu para auxiliar o homem na Terra . Temos assim a teoria e a prática, o ensino e a demonstração. A morte não nos exime do esforço de evolução, das atividades necessárias ao nosso progresso. Quem espera da morte o eterno descanso terá grande surpresa ao passar para a vida espiritual. Porque ali não encontrará o repouso inútil, mas a atividade produtiva.

As trovas dos poetas cearenses nos mostram, numa sequência didática, vários aspectos do trabalho, a começar da escola sem férias que é a vida, passando pela necessidade das mudanças que hoje tanto nos aturdem, mostrando a importância da coragem na luta, do erro que nos corrige e assim por diante. A provação é resumida na imagem da cana apertada na moenda. E no final temos a explicação das relações do trabalho entre o homem e Deus. Dez trovas, dez sínteses, porque a trova é a arte de dizer o máximo com o mínimo de palavras.


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir