Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Mensagens de Inês de Castro — F. C. Xavier / Caio Ramacciotti / Inês de Castro


18


D. Fernando I

Nono e último rei da dinastia afonsina,  †  filho, como já vimos, de D. Pedro I,  †  assumiu a coroa em janeiro de 1367, com a morte do pai, e governou até 1383.

Recebera de D. Pedro um reino tranquilo, sem guerras e bem administrado, com elevada poupança em barras de ouro e prata e sólidos rendimentos para a Coroa.

Em 1372 casou-se com Leonor Teles,  †  por amor, sinal de que o exemplo paterno o marcara. Contudo, para unir-se a Leonor, repudiou promessas matrimoniais anteriores com Aragão  †  e Castela.  † 

Com esse último reino, envolveu-se em três guerras, em pouco mais de quinze anos de governo, por direitos sucessórios discutíveis, que trouxeram grandes dificuldades a Portugal pelos embates em si e pelas alianças pagas a peso de ouro. A terceira guerra concluiu-se em agosto de 1382, mas a paz, ainda que de curta duração, entre Portugal e Castela, apenas foi alcançada, com o rei gravemente enfermo, na primavera de 1383, nos termos do melancólico Tratado de Salvaterra.  † 

Já comentamos esse tratado em capítulo anterior, observando as graves consequências que traria à independência portuguesa, caso não houvesse eclodido a rebelião chefiada pelo Mestre de Avis,  †  seu meio-irmão, bastardo de Pedro I. Meses depois, a tuberculose o levaria, fechando-se com sua morte o rico reposteiro da dinastia afonsina.

Se não foram exitosas as suas surtidas bélicas, deve-se ressaltar que, nos outros segmentos da administração real, D. Fernando  †  se houve muito bem.

Estimulou o tráfico mercantil, limitando a atuação nessa área da nobreza e do clero. O consequente prestígio aos comerciantes valorizou a movimentação nos portos e a circulação de riquezas, levando ao crescimento do comércio exterior e interior e à multiplicação das culturas agrícolas.

Destacam-se, como medidas fundamentais de seu governo:

— A Lei das Sesmarias,  †  que obrigava o cultivo da terra aos seus proprietários, sob pena de cedê-las a arrendatários, pois as terras não podiam ficar sem amanho.

— As Bolsas Marítimas,  †  espécie de seguro de proteção às grandes embarcações, o que fez com que os navegantes se lançassem ao mar com mais segurança, levando suas mercadorias aos portos da região.

Embora haja infelicitado o reino com as guerras e suas consequências e não tenha evitado, certamente pela grave enfermidade, a capitulação a Castela, materializada no Tratado de Salvaterra, credite-se-lhe a honra de ter sido um dos legisladores mais sensatos da história medieval.

Somos induzidos a crer que Fernando não ficou imune à tragédia de Inês de Castro,  †  carregando sempre as marcas do episódio que atormentou o pai até a morte e envolveu todos os filhos de D. Pedro, à exceção do Mestre de Avis.

A propósito de seus irmãos, os filhos de Inês, estes frequentavam regularmente a corte de Fernando, até que começaram a surgir as dificuldades com Leonor Teles, como já vimos.

Faleceu em Lisboa a 22 de outubro de 1383.


Caio Ramacciotti


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir