Bíblia do Caminho  † Testamento Xavieriano

Índice Página inicial Próximo Capítulo

Janela para a vida — Autores diversos

 

8

 

Mensagens do Céu à Terra

Desde seu primeiro livro psicografado (Parnaso de Além-túmulo), publicado em 1931, os Mentores Espirituais, através de Chico Xavier, constantemente se utilizam da poesia mediúnica como veículo para mensagens e informações espirituais, conceitos morais, filosóficos e religiosos destinados ao grande público.

Enquanto os meios literários, culturais e científicos debatiam e debatem a questão da autenticidade ou não dos autores e textos incluídos naquela e em outras obras e ela posteriores, debate que de resto se prolonga até a atualidade sem proveito notável ou solução, o médium Xavier prossegue perseverantemente captando em sua tarefa mediúnica a produção e o testemunho espiritual de autores com maior ou menor renome no campo das letras, sem falar nos que se apresentam sob pseudônimo, cujo exemplo mais notável é o do Espírito Humberto de Campos (Irmão X).

Desde a quadra popular, a trova, o soneto, até mesmo o alexandrino clássico, passando por todos os gêneros poéticos, tal produção copiosa, diversificada e constante aponta para uma única finalidade: evangelização com vistas à elevação espiritual da comunidade.

E quanto à autenticidade? Talvez possamos responder com outra indagação: haverá no mundo alguém que aceite a legitimidade da produção mediúnica de um autor desencarnado, se esse alguém, antes de mais nada, não acreditar na sobrevivência do espírito após a morte física? Como aceitar que um Espírito conserve todos os dons e características de que se revestia quando na vida corpórea se tivermos posição firmada no conceito pelo qual a morte do corpo é o fim de tudo?

Daí por que se nos afigura que o importante não é a sustentação de um debate sobremaneira improfícuo e claramente inútil.

O ateísmo empedernido não cede passo nem mesmo ante as mais palpáveis manifestações da vida espiritual superior e exemplos de racionalização materialista não têm faltado ao longo do tempo, na vã tentativa de tudo reduzir ao nível da ciência experimental e ou do sensório.

A certeza na imortalidade da alma e na manifestação dos Espíritos só a adquirimos ao longo dos séculos de vivências em reencarnações sucessivas.

No presente caso, o essencial, portanto, é atermo-nos ao conteúdo das produções poéticas recebidas através da mediunidade de Chico Xavier. Não raro surgem joias do mais puro quilate, quais as que transcrevemos a seguir:

 


 

Trovas para pensar

1 Desencarnei é verdade

Mas prodígios não me peças

Já tenho a infelicidade

De ver o mundo às avessas.

.Raul Pederneiras

 

2 Ouvi alguém que dizia

— Lá se vai o poeta morto

Sem perceber a alegria

Do sonho chegando ao porto.

.Adelmar Tavares

 

3 Prazeres gerando trevas?

A vida é uma grande escola;

A cruz pesada que levas

É a força que te controla.

.Antônio Martins

 

4 Veja assim o ensinamento:

Vida correta é dever,

Vale mais sofrer na vida

Que a gente fazer sofrer.

.Cornélio Pires

 

Para a complementação deste capítulo, recebemos de Chico Xavier as produções mediúnicas de Espíritos diversos a seguir reproduzidas. [As mensagens se desdobraram nos capítulos seguintes]

 

.Fernando Worm

 

Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

 

.

D
W