Bíblia do CaminhoTestamento Xavieriano

Índice Página inicial Próximo Capítulo

Instruções psicofônicas — Autores diversos


6


A lição da Cruz

A noite de 15 de abril de 1954 foi dedicada às comemorações de endoenças pela comunidade cristã. Recordando a véspera da crucificação de Jesus, nosso Grupo estava superlotado de entidades desencarnadas de várias procedências e de diversos graus evolutivos a nos partilharem tarefas e orações.

Coroando-nos os estudos, o irmão Osias Gonçalves, n que foi abnegado pastor evangélico no Brasil, ocupou a faculdade psicofônica e falou, comovedoramente, com respeito à lição da Cruz.


1 Meus irmãos:

Peçamos em nosso favor a bênção de Nosso Senhor Jesus-Cristo.

2 Nas recordações da noite de hoje, busquemos no Livro Sagrado a mensagem de luz que nos comande as diretrizes.

3 Leiamos no Evangelho do Apóstolo João, no capítulo 12, versículo 32, a palavra do Divino Mestre, quando anuncia aos seguidores: — “E eu, quando for levantado da terra, atrairei todos a mim.”

4 Semelhante afirmativa foi pronunciada por ele, depois da entrada jubilosa em Jerusalém.

Flores, alegria, triunfo…

5 Cabe-nos ponderar ainda que, nessa ocasião, o Embaixador Celestial havia sido o Divino Médico dos corpos e das almas. Havia restaurado paralíticos, cegos e leprosos, reconstituindo a esperança e a oportunidade de muitos… Estendera a Boa-Nova e passara pela transfiguração do Tabor…

6 Entretanto, Jesus ainda se considera como Missionário não erguido da Terra.

7 Indubitavelmente, aludia ao gênero de testemunho com que o dilacerariam, mas também ao sofrimento superado como acesso à vitória.

8 Reportava-se ao sacrifício como auréola da vida e destacava a cruz por símbolo de espiritualidade e ressurreição.

9 Induzia-nos o Senhor a aceitar as aflições do mundo, como recursos de soerguimento, e a receber nos pontos nevrálgicos do destino o ensejo de nossa própria recuperação.

10 Ninguém passará incólume entre as vicissitudes da Terra. Todos aí pagamos o tributo da experiência, do crescimento, do resgate, da ascensão…

11 E arrojados ao pó do amolecimento moral, não atrairemos senão a piedade dos transeuntes e o enxurro do caminho, sem encorajar o trabalho e o bom ânimo dos outros, porque, de nós mesmos, teremos recusado a bênção da luta.

12 O Mestre, amoroso e decidido, ensinou-nos a usar o fracasso como chave de elevação.

13 Traído pelos homens, utilizou-se de semelhante decepção para demonstrar lealdade a Deus.

14 Atormentado, aproveitou a aflição para lecionar paciência e governo próprio.

15 Escarnecido, valeu-se da amargura íntima para exercer o perdão.

16 E, crucificado, fez da morte a revelação da vida eterna.

17 É imprescindível renunciar ao reconforto particular, para que a renovação nos acolha.

18 Todos nos sentimos tranquilos e sorridentes, diante do céu sem nuvens, mas se a tempestade reponta, ameaçadora, eis que se nos desfazem as energias, qual se nossa fé não passasse de movimento sem substância.

19 Acomodamo-nos com a satisfação e abominamos o obstáculo.

20 No entanto, não seremos levantados do mundo, ainda mesmo quando estejamos no mundo fora do corpo físico, sem o triunfo sobre a nossa cruz, que, em nosso caso, foi talhada por nossos próprios erros, perante a Lei.

21 É por isso que nesta noite, em que a serenidade de Jesus como que envolve a Natureza toda, nesta hora em que o pensamento da coletividade cristã volve, comovido, para a recuada Jerusalém, é natural estabeleçamos no próprio coração o indispensável silêncio para ouvir a Mensagem do Evangelho que se agiganta nos séculos… — “E eu, quando for levantado da terra, atrairei todos a mim.” (Jo)

22 Enquanto o Senhor evidenciava apenas o poder sublime de que se fazia emissário, curando e consolando, poderia parecer um simples agente do Pai Celestial, em socorro das criaturas; mas atendendo aos desígnios do Altíssimo, na cruz da flagelação suprema, e confiando-se à renúncia total dos próprios desejos, não obstante vilipendiado e aparentemente vencido, afirmou o valor soberano de sua individualidade divina pela fidelidade ao seu ministério de amor universal e, desde então, alçado ao madeiro, continua atraindo a si as almas e as nações.

23 Içado à ignomínia por imposição de todos nós que lhe constituímos a família planetária, não denotou rebeldia, tristeza ou desânimo, encontrando, aliás, em nossa debilidade, mais forte motivo para estender-nos o tesouro da caridade e do perdão, passando, desde a cruz, não mais apenas a revigorar o corpo e a alma das criaturas, mas principalmente a atraí-las para o Reino Divino, cuja construção foi encetada e cujo acabamento está muito longe de terminar.

24 Assim sendo, quando erguidos pelo menos alguns milímetros da terra, através das pequeninas cruzes de nossos deveres, junto aos nossos irmãos de Humanidade, saibamos abençoar, ajudar, compreender, servir, aprender e progredir sempre.

25 Intranquilidade, provação, sofrimento, são bases para que nos levantemos ao encontro do Senhor.

26 Roguemos, desse modo, a ele nos acrescente a coragem de apagar o incêndio da rebelião que nos retém prostrados no chão de nossas velhas fraquezas, retirando-nos, enfim, do cativeiro à inferioridade para trazer ao nosso novo modo de ser todos aqueles que convivem conosco, há milênios, aguardando de nossa alma o apelo vivo do entendimento e do amor.

27 E, reunindo nossas súplicas numa só vibração de fé, esperemos que a Bondade Divina nos agasalhe e abençoe.


.Osias Gonçalves


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir