Bíblia do CaminhoTestamento Xavieriano

Índice Página inicial Próximo Capítulo

Doutrina e aplicação — Autores diversos


8


A árvore do tempo

1 Quando o Anjo da Morte cumpriu suas atribuições junto aos primeiros homens que habitavam a Terra, houve grande revolta entre os que eram separados da vestimenta material. O generoso missionário sentiu-se crivado de observações ingratas. 2 No íntimo, as almas guardavam a certeza, relativamente às finalidades gloriosas de seus destinos. Todas haviam sido chamadas à existência para se elevarem ao Trono de Deus; entretanto, nenhuma se conformava com a própria situação. 3 Debalde o sábio mensageiro procurava lembrar o objetivo divino e esclarecer a excelência de sua cooperação. Os homens, porém, cobriam-no de impropérios, alegando os trabalhos incompletos que haviam deixado sobre a face do mundo. 4 Uns recordavam as famílias ameaçadas sem a sua presença, outros comentavam as nobres intenções com que se atiravam na Terra aos serviços da evolução. E as lágrimas se confundiam com os gritos de desespero irremediável.

5 Acabrunhado pelos acontecimentos, o solícito missionário, como quem começa um serviço sem o conhecimento de toda a sua complexidade e extensão, suplicou ao Senhor o socorro de seu auxílio divino, de modo a fazer face à situação.

6 Foi por esse motivo que o Salvador veio ao encontro da grande fileira de Espíritos infortunados, acercando-se de suas amarguras com a inesgotável generosidade e sabedoria de sempre.

7 — Ah! Senhor — exclamou um dos infelizes — O Anjo da Morte nos reduziu à miserável condição de escravos sem esperanças. Sabemos que a nossa marcha se dirige ao Altíssimo; entretanto, fomos subtraídos ao laborioso esforço de preparação na Terra…

8 — Existem, porém, outros Planos à espera de vossas atividades — esclareceu o interpelado com bondade carinhosa. — O planeta terrestre não é o único santuário consagrado à vida. Além disso, o mensageiro da morte não é um tirano e sim um benfeitor que personifica a grande lei de renovação.

9 A essas palavras, todavia, a pequena turba avançou a reclamar lamentosamente, invocando as razões que a vinculavam ao mundo terreno.

10 — Jamais me poderei separar dos filhos idolatrados — dizia um velhinho de semblante inquieto — não desejo marchar sem a afetuosa companhia deles! Não me submetais ao sacrifício insuportável da separação!

11 — Meu esposo — bradava uma pobre mulher — clama por mim, dia e noite!… Meu estado de inquietação é angustioso! … Não creio que possa ser feliz, nem mesmo nas claridades do Paraíso!…

12 — E minha fazenda? — Ponderava ainda outro, em tom de súplica. — Não permitais que meus trabalhos sejam interrompidos… Assim procedo, Senhor, em obediência ao dever de velar pelos patrimônios que me conferistes!…

13 — Nunca julguei — comentava um jovem, desesperadamente — que o Anjo da Morte me roubasse o sonho do noivado, quase no instante de minha desejada ventura… Nada mais conservo em meus olhos, senão o derradeiro quadro de minha companheira a chorar… Não haverá compaixão no Céu para uma aspiração justa e santa da Terra?…


14 Nesse instante, o Senhor entrou em grande meditação, mostrando triste o semblante. A pequena multidão continuou revelando o grau de seu desespero em rogativas dolorosas. Dando a entender pelo seu silêncio a importância e a complexidade das aquisições que os Espíritos da Terra necessitavam realizar, prosseguiu por largo tempo em serenas reflexões e, quando se aquietou o ânimo geral, em forte expectativa, tomou a palavra na assembleia e falou solenemente:

15 — Conheço a extensão das vossas necessidades, mas não disponho de tempo para velar pessoalmente pela solução dos vossos problemas particulares, mesmo porque não sois os meus únicos tutelados. Se pretendesse convencer-vos pela palavra, não sairíamos, talvez, dos círculos escuros das contendas e, se desejasse acompanhar-vos, individualmente, nas experiências indispensáveis, teria de me acorrentar aos fluidos da Terra por milênios, descurando de outros deveres sagrados confiados ao meu coração por Nosso Pai! Estarei convosco, por todos os séculos, ligado perenemente ao vosso amor, mas não posso estacionar à maneira de um homem. Tenho de agir e trabalhar por todos, sem o capricho de amar somente a alguns. A presente situação, porém, será remediada. Dar-vos-ei, doravante, a árvore bendita do tempo.


.Irmão X

(.Humberto de Campos)

Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir