Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Chico Xavier, a aurora de uma vida entre o Céu e a Terra — Autores diversos subscritos por F. Xavier.


68


Trabalhemos

| 3 de outubro de 1931.

1 Ao ingressarmos no conhecimento da Doutrina Espírita, após recebermos os seus luminosos ensinamentos, quando nos sentimos na completa posse desse tesouro espiritual, um pensamento nos domina: o de trabalharmos para que os nossos semelhantes venham partilhar das nossas alegrias espirituais.

2 Condena-se o ostracismo, malsina-se o materialismo dissolvente, o fogo purificador da verdade abrasa o coração do novo crente, que deseja, com ardor, inflamar de fé toda a humanidade sofredora.

3 Um misto de profunda alegria e excelsa luminosidade enche a alma humana quando, deslumbrada, busca fitar a grandeza do Consolador. 4 É desse êxtase, no encontro da radiante luz, que nasce aquele estado de alma que, dulcificada pela crença imorredoura, anela desdobrar-se para espalhar as radiosidades sublimes da verdade plena que a ilumina. 5 Todavia, quão poucos, passadas as horas de deslumbramento, sabem conservar a fé e o firme propósito de trabalhar.

6 A maioria transforma os seus maiores entusiasmos e arrebatamentos em fogos fátuos. Desanima-se com o labor de um dia, estaciona-se ante o menor obstáculo, desespera-se na primeira dificuldade e torna-se abatida, repousando criminosamente. 7 A rotina apresenta-se-lhe como barreira intransponível, o interesse cega-lhe os olhos e o preconceito afigura-se-lhe como um colosso inabalável. 8 Confessa-se impotente para a luta. Possui a fé e isso lhe basta. Porém, que pode valer a fé sem as obras? ( † ) 9 Como se pode qualificar a moral sem a exemplificação? Todo ideal não concretizado é um ideal morto. 10 E como realizar o nosso, que é a luz, a verdade e o bem se não dispensarmos o mínimo esforço?

11 É preciso trabalhar, pois, trabalhar incessantemente, não reparando nos sacrifícios. Necessitamos conservar a nossa fé vívida e pura, exteriorizando-a em obras aproveitáveis em prol do progresso coletivo.

12 Trabalhemos! Multipliquemos as nossas atividades no desempenho dos nossos deveres e não fitemos nunca os fantasmas apavorantes do interesse e da conveniência.

13 Sejamos condutores da luz e jamais esqueçamos que devemos amar a verdade e o bem acima de todas as bagatelas e frivolidades terrenas.

14 Trabalhemos, confiantemente, com tenacidade e amor na seara de Jesus, para que nos tornemos dignos da felicidade imortal que Deus nos reserva.


F. Xavier


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir