Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Chico Xavier — Mandato de amor — Autores diversos — 3ª Parte


6


Prece

1 Senhor:

Esta é uma das casas que nos deste à oração para que a tua bênção nos clareie o caminho.

2 Ensina-nos a construir dentro dela o lar de nossos corações, em cuja doce intimidade aprendamos de ti a bondade e a renúncia, o devotamento e a compaixão.

3 Que dela faças um lugar consagrado ao teu serviço, onde estejamos contigo, de alma descerrada aos sofrimentos e necessidades do próximo, a fim de que os nossos irmãos de humanidade aqui te encontrem a Celeste Presença.

4 Ajuda-nos a exaltá-la, através do respeito à nossa própria consciência para que ela seja dignificada na veneração dos outros.

5 Discípulos do Espiritismo que te restauram na Terra a Doutrina da Luz, faze-nos compreender que o Centro Espírita é um templo de trabalho educativo e de solidariedade humana, onde a honra do teu nome está empenhada em nossas mãos.

6 Induze-nos à concórdia e à simplicidade, para que a separação e o orgulho não nos arrojem às trevas.

7 Desperta-nos o sentimento e o raciocínio em tuas lições, para que tenhamos o coração e o cérebro sintonizados no verdadeiro bem, escalando os degraus da caridade e da cultura no rumo da Sabedoria e do Amor que nos aguardam na imortalidade vitoriosa.

8 Senhor, não desconhecemos que os nossos próprios enganos podem obscurecer-nos o entendimento, imobilizando-nos os passos nos labirintos da sombra.

9 Auxilia-nos, assim, a cultivar o caráter acima da convicção e o exemplo acima das palavras.

10 Mergulha as raízes da nossa existência nas águas de tua misericórdia, para que a fraternidade frutifique em nossos dias e inspira-nos a humildade para que não vivamos distraídos na ilusão.

11 Concede-nos a alegria incessante do serviço, a fim de que sejamos agradecidos ao suor e às lágrimas dos companheiros que lutaram e sofreram, antes de nós, para que este santuário se erga em teu nome e compadece-te de nossas mãos no arado de nossos deveres, para que sejamos fiéis à tua confiança, hoje e sempre.

Assim seja.

.Emmanuel



(Página psicografada por Francisco Cândido Xavier, na noite de 18 de abril de 1956, ao término da sessão solene de inauguração da nova sede da União Espírita Mineira. Fonte: “O Espírita Mineiro”, números 49/50, março/abril de 1956.)


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir