Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Chico Xavier — Mandato de amor — Autores diversos — 2ª Parte


31


Chamo-me Caridade

1 Chamo-me Caridade — o simples nome

De um coração amigo em senda escura,

A esmolar-te migalha de ternura

Para aqueles que a lágrima consome!


2 Vê como a sombra aspérrima enclausura

A tristeza, a nudez, a mágoa e a fome!

Sem alívio de bálsamo que o tome,

Corre o pranto mortal da desventura.


3 Venho por Ele, o Cristo, que te espera,

Rogar-te amparo e amor à alma sincera,

Mesmo se o fel te amargure o peito aflito!


4 Semeia paz e luz por onde fores,

E encontrarás, ao fim das próprias dores,

O roteiro de sóis para o Infinito!…


Auta de Souza



(Soneto recebido pelo médium Francisco Cândido Xavier. Fonte: “O Espírita Mineiro”, número 168, julho/agosto de 1976.)


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir