Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Caminhos de volta — Autores diversos


38


Segurança e paz

O comentário dominante em nossas conversações, horas antes da reunião pública, referia-se à necessidade de preservarmos a segurança como fator de paz em nossas organizações de serviço, seja em casa ou no grupo social, nas instituições ou nos lugares de ordem geral.

Tantas situações difíceis encontramos e tantos companheiros em lutas espirituais surpreendemos nas atividades do cotidiano que indagávamos qual a melhor maneira de acertar com o caminho natural para as atitudes de equilíbrio que nos competem. Conduzidos à reunião, com surpresa notamos que O Evangelho Segundo o Espiritismo ( † ) nos oferecia o item 7 do capítulo IX para estudo e interpretação. Vários amigos expressaram conclusões valiosas quanto ao texto. E, ao término dos trabalhos, o nosso caro Emmanuel escreveu a página “Paciência e Caminho”.


PACIÊNCIA E CAMINHO

1 Paciência é passaporte para todos aqueles que aspiram a avançar nas vias do progresso.

2 Quando num carro em movimento, sabes com clareza, que, em muitas ocasiões, é necessário venhas a pensar por ti e pelos outros.

3 Nessas circunstâncias em que o perigo se mostra à vista, tomas conselho à prudência que te sugere abertura de espaço aos que se entregam a disparada ou te lembra cuidado para que não te disponhas a podar sem consideração a frente dos companheiros.

4 De outras vezes, consagras-te ao exame prévio da máquina, antes de qualquer movimentação, a fim de melhorares as condições dessa ou daquela peça doente, tanto quanto te dedicas a observar mais atentamente os sinais do caminho para que não te faças indução a desastre.

5 O trânsito é uma escola em que sobram aulas de vigilância e compreensão, justiça e disciplina.

6 Anotemos as lições da estrada e procuremos transferi-las ao trânsito da vida em que todos somos chamados, nas trilhas do tempo, ao relacionamento comum.

7 Se esse ou aquele companheiro demonstra exagerada tensão nas atividades que lhe dizem respeito, não lhe congeles o ânimo, desfechando-lhe observações deprimentes, mas socorre-o com recursos de paz; 8 de igual modo, não ultrapasses, sem necessidade, as posições dos irmãos em serviço, porquanto, quase sempre, com isso, nada se recolhe além de dificuldade e desilusão.

9 Na tarefa a que te empenhas, verifica quanto de amor e de apreço já dispensaste ao cooperador do veículo de tuas realizações para que não te falte segurança e atende à execução dos princípios que abraças, considerando o bem de todos, para que desajustes não te ameacem a obra.

10 Quanto mais agitação, no plano externo, mais imperiosa se faz a necessidade de calma no campo íntimo, se nos propomos superar perturbações e obstáculos.

11 Evitemos choques destrutivos e doemos o melhor de nós aos programas de ação que nos propomos a realizar, exercitando entendimento e tolerância, conscientes de que para coibir quaisquer calamidades, no terreno do espírito, a paciência é o preservativo ideal.

12 Não te detenhas a lamentar problemas e crises. Se te engajaste na causa do bem, guarda-te em serviço constante e, usando paciência e amor, certamente vencerás.


.Emmanuel


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir