Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Baú de casos — Cornélio Pires


19

Antipatias

  1 Eis aqui sua pergunta,

  Minha prezada Lilia:

  De que modo liquidar

  A força da antipatia.


  2 Você sabe. Antipatias

  Na sombra espessa em que estão

  Aparecem de improviso,

  Quase sempre sem razão.


  3 O assunto chega de longe,

  Parece graves feridas,

  Moléstias do pensamento

  Que trazemos de outras vidas.


  4 Comumente, a novidade

  É cousa que nos alcança,

  Quando alguém de encontro novo

  Não nos causa confiança.


  5 Aumentam-se gentilezas,

  Seja no lar ou na rua,

  Mas a repulsa por dentro

  É sombra que continua.


  6 Aí, é a doença antiga

  Que nem sempre vem à face,

  Veneno desconhecido,

  Ódio velho que renasce.


  7 Declarada a enfermidade,

  Usemos, de modo atento,

  O remédio da oração

  Que nos traga o esquecimento.


  8 Depois da prece que extinga

  Esse mal que nos invade,

  Procuremos o exercício

  Da paz e da caridade.


  9 Meditemos no passado…

  Que teria acontecido?

  Quem nos impõe desagrado

  Talvez nos haja ferido.


  10 Ou talvez, sejamos nós,

  Segundo o reto pensar,

  Os causadores da sombra

  Com culpas a resgatar.


  11 Por isso, quando apareça

  Algum inimigo à frente,

  Peçamos a Deus nos dê

  Compaixão que ajude a gente.


  12 Por vezes, quem nos pareça

  Dose de cobra ou leão

  É uma pessoa cansada

  De espinhos no coração.


  13 Terá sido noutras eras

  Terrível perseguidor,

  Hoje, às vezes, é um pedinte

  De compreensão e de amor.


  14 Quando você ache alguém

  Que o peito lhe aflige ou tranca,

  Pense em Cristo, ore com calma

  E evite qualquer carranca.


  15 Pelos caminhos da vida

  A presença da aversão

  É sempre a hora difícil

  De regresso à provação.


  16 E quando a prova ressurge,

  Queira ou não queira acertar

  Deus nos coloca, Lilia,

  No tempo de perdoar.


Cornélio Pires


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir