Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Augusto vive — Augusto Cezar Netto


1

Entre amigos

1 Cara, você já fechou a rosca sobre o assunto e pede pala quanto ao que fez. Não sei se você é um amigão genial ou um geraldino de cuca na brasan

2 Diz você que já largou casa e pessoal de parentesco para ficar livre de tudo. Desligado, ignorando tempo e sabão. E mesmo assim você alastra a sua milonga pra cima do primo pobre que sou eu, procurando saber se agiu bem.

3 Explica você que isso é protesto. Protesto contra costumes e prensas, disciplinas e rebanhos.

4 Você notou que obedecer não é mole e partiu pra independência. Se merece palmas ou reprimendas, não sei. Entretanto, creia que não consigo morar em sua jogada.

5 Você diz que o mundo está sujo e vive dismilinguido de banho; que deseja fazer unicamente o que quer e está gamado pela erva mágica; que detesta o freio dos pais e caminha preso à boca quente; que não aceita o conta-vida pra trabalho e respira na broca.

6 De uma coisa estou certo: você não vai amarrar o burro na sombra. Da diamba, você talvez se transfira pra birita; da água que gato não bebe poderá sair pra boca fácil e na boca fácil você será colunizado pra comer uma cana dura.

7 Pense, meu chapa, e faça balão de retorno. Ninguém consegue liberdade com vida consciente, de um momento para outro.

8 Esse negócio de existir no sereno, protestando contra o mundo é cascata. Não se entorte, nem entre em fria. Assim como nascemos aí na Terra, um dia todos voltamos pra cá. E quem se estrepa no mundo, chega por aqui estrumbicado.

9 Mude o seu plá e parta pra outra. Maré mansa já era. E quem ao trabalho não se aplica, se espinica.

10 Se você não capiscou, até breve. O tempo não dá pra espinafração. Por isto mesmo, já vou tarde e falei.


Augusto Cezar



[1] Obs.: Para melhor compreensão de algumas expressões utilizadas pelo autor espiritual vide Glossário de gírias.


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir