Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Antologia dos Imortais — Autores diversos — 1ª Parte


24

Galdino de Castro


NA JAULA DA CARNE

  1 Fora em prisca existência o gênio da batalha,

  Era o saque, o terror e a morte em casa alheia…

  Agora, reencarnado, em vão ruge, guerreia, n

  Ataca, deblatera, apedreja, retalha.


  2 Obsesso infeliz, estrídulo gargalha; n

  De outras vezes, a sós, anárquico, pranteia.

  Traz o cérebro em chama — incendida cadeia —,

  A ocultar-se na sombra e a surgir sobre a palha.


  3 “Louco!” — proclama a Terra. Ele blasfema e chora,

  Contempla, estarrecido, as vítimas de outrora,

  Réu da própria consciência em hórrida clausura…


  4 Guarda a soma integral das culpas de outras vidas,

  Mas, no hospício do mundo, em convulsões doridas,

  Ele é tido por monstro em longa noite escura. n


OBSESSOR

  1 — “Misericórdia, irmãos!…” — Em súplica, na praça,

  O condenado à forca estorcega-se e geme. n

  A turba aos empuxões — enorme nau sem leme

  Abisma-se no mar da violência devassa. 18 n


  2 O réu chora, maldiz a sentença e ameaça…

  O carrasco desdobra espessa corda creme.

  Tomba a cabeça irada, o torso rola, treme,

  Bamboleando ao clamor da imensa populaça. 22


  3 Mas do corpo suspenso, agora inerte e quedo,

  Sai o Espírito em sombra — um salteador sem medo —, n

  De olhar a reluzir, em lúgubre transporte…


  4 Qual fantasma do crime a destilar vingança,

  Segue, em revolta extrema, e intimorato alcança

  O implacável juiz que o condenara à morte.


GALDINO Pereira DE CASTRO — Destacado poeta do grupo da Nova Cruzada e jornalista precoce, Galdino de Castro, formado em Medicina, depois de desistir do curso jurídico, foi clínico e político. Colaborou em vários periódicos da Bahia fundando alguns até mesmo nos tempos colegiais. Dedicou-se ao magistério anos antes de transferir-se para S. Paulo, depois de abandonar a literatura. “Dos livros que anunciava — Pavilhões, Auriflamas, Troféus — não publicou nenhum.” (Salvador, Bahia, 18 de Abril de 1882 — S. Paulo, 23 de Agosto de 1939.)



[1] Aliteração em rr.

[2] Suarabácti: “o-b-ses-so”. Cf. nota 1, do cap. 10, da 1ª Parte.

[3] Cf. o soneto “Noturno” (apud Pan. IV, pág. 267) e observe-se que o esquema rimático dos tercetos é idêntico ao de “Na Jaula da Carne”, em que o poeta explica a causa remota da loucura de que, hoje, muitos irmãos nossos são portadores na cela dos manicômios.

[4] estorcega-se: o mesmo que estorcer-se. Note-se o efeito deste verbo.

[5] 18-22. Ler com sinérese: vio-lên-cia e bam-bo-lean-do.

[6] Ler sal-tea-dor em três silabas.


(Psicografia de Francisco C. Xavier)


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir