Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

A caminho da Luz — Emmanuel


25

O Evangelho e o Futuro

1 Um modesto escorço da História faz entrever os laços eternos que ligam todas as gerações nos surtos evolutivos do planeta.

2 Muita vez, o palco das civilizações foi modificado, sofrendo profundas renovações nos seus cenários, mas os atores são os mesmos, caminhando, nas lutas purificadoras, para a perfeição d’Aquele que é a Luz do princípio.

3 Nos primórdios da Humanidade, o homem terrestre foi naturalmente conduzido às atividades exteriores, desbravando o caminho da natureza para a solução do problema vital, mas houve um tempo em que a sua maioridade espiritual foi proclamada pela sabedoria da Grécia e pelas organizações romanas.

4 Nessa época, a vinda do Cristo ao planeta assinalaria o maior acontecimento para o mundo, de vez que o Evangelho seria a eterna mensagem do Céu, ligando a Terra ao reino luminoso de Jesus, na hipótese da assimilação do homem espiritual, com respeito aos ensinamentos divinos. 5 Mas a pureza do Cristianismo não conseguiu manter-se intacta, tão logo regressaram ao Plano Invisível os auxiliares do Senhor, reencarnados no globo terrestre para a glorificação dos tempos apostólicos, o assédio das trevas avassalou o coração das criaturas.

6 Decorridos três séculos da lição santificante de Jesus, surgiram a falsidade e a má-fé adaptando-se às conveniências dos poderes políticos do mundo, desvirtuando-se-lhe todos os princípios, por favorecer doutrinas de violência oficializada.

7 Debalde enviou o Divino Mestre seus emissários e discípulos mais queridos ao ambiente das lutas planetárias. Quando não foram trucidados pelas multidões delinquentes ou pelos verdugos das consciências, foram obrigados a capitular diante da ignorância, esperando o juízo longínquo da posteridade.

8 Desde essa época, em que a mensagem evangélica dilatava a esfera da liberdade humana, em virtude da sua maturidade para o entendimento das grandes e consoladoras verdades da existência, estacionou o homem espiritual em seus surtos de progresso, impossibilitado de acompanhar o homem físico na sua marcha pelas estradas do conhecimento.

9 É por esse motivo que, ao lado dos aviões poderosos e da radiotelefonia, que ligam todos os continentes e países da atualidade, indicando os imperativos das leis da solidariedade humana, vemos o conceito de civilização insultado por todas as doutrinas de isolamento, enquanto os povos se preparam para o extermínio e para a destruição. 10 É ainda por isso que, em nome do Evangelho, se perpetram todos os absurdos nos países ditos cristãos.

11 A realidade é que a civilização ocidental não chegou a se cristianizar. 12 Na França temos a guilhotina, a forca na Inglaterra, o machado na Alemanha e a cadeira elétrica na própria América da fraternidade e da concórdia, isto para nos referirmos tão somente às nações supercivilizadas do planeta. 13 A Itália não realizou a sua agressão à Abissínia,  †  em nome da civilização cristã do Ocidente? 14 Não foi em nome do Evangelho que os padres italianos abençoaram os canhões e as metralhadoras da conquista? Em nome do Cristo espalharam-se, nestes vinte séculos, todas as discórdias e todas as amarguras do mundo.

15 Mas é chegado o tempo de um reajustamento de todos os valores humanos. 16 Se as dolorosas expiações coletivas preludiam a época dos últimos “ais” do Apocalipse, a espiritualidade tem de penetrar as realizações do homem físico, conduzindo-as para o bem de toda a Humanidade.

17 O Espiritismo, na sua missão de Consolador, é o amparo do mundo neste século de declives da sua História; 18 só ele pode, na sua feição de Cristianismo redivivo, salvar as religiões que se apagam entre os choques da força e da ambição, do egoísmo e do domínio, apontando ao homem os seus verdadeiros caminhos. 19 No seu manancial de esclarecimentos, poder-se-á beber a linfa cristalina das verdades consoladoras do Céu, preparando-se as almas para a nova era. 20 São chegados os tempos em que as forças do mal serão compelidas a abandonar as suas derradeiras posições de domínio nos ambientes terrestres, e os seus últimos triunfos são bem o penhor de uma reação temerária e infeliz, apressando a realização dos vaticínios sombrios que pesam sobre o seu império perecível.

21 Ditadores, exércitos, hegemonias econômicas, massas versáteis e inconscientes, guerras inglórias, organizações seculares, passarão com a vertigem de um pesadelo.

22 A vitória da força é uma claridade de fogos de artifício.

23 Toda a realidade é a do Espírito e toda a paz é a do entendimento do Reino de Deus e de sua justiça.

24 O século que passa efetuará a divisão das ovelhas do imenso rebanho. O cajado do pastor conduzirá o sofrimento na tarefa penosa da escolha e a dor se incumbirá do trabalho que os homens não aceitaram por amor.

25 Uma tempestade de amarguras varrerá toda a Terra. Os filhos da Jerusalém de todos os séculos devem chorar, contemplando essas chuvas de lágrimas e de sangue que rebentarão das nuvens pesadas de suas consciências enegrecidas.

26 Condenada pelas sentenças irrevogáveis de seus erros sociais e políticos, a superioridade europeia desaparecerá para sempre, como o Império Romano, entregando à América o fruto das suas experiências, com vistas à civilização do porvir.

27 Vive-se agora, na Terra, um crepúsculo, ao qual sucederá profunda noite; e ao século XX compete a missão do desfecho desses acontecimentos espantosos. [Este livro foi escrito em 1938, bem antes da reunião da comunidade das potências angélicas do Sistema Solar, ocorrida em 20 de julho de 1969, quando foi concedida por Jesus uma moratória de 50 anos à sociedade terrena, adiando, portanto, esses acontecimentos espantosos para o século XXI. Vide também as respostas de Emmanuel aos itens 2 e 3 do primeiro capítulo do livro Caderno de mensagens onde diz: “(…) não nos detenhamos na expressão física dos acontecimentos que se avizinham, para marcar maiores acontecimentos — acontecimentos estes de natureza espetacular — na transformação do Plano em que estamos estagiando, (…)”]

28 Todavia, os operários humildes do Cristo ouçamos a sua voz no âmago de nossa alma:

“Bem-aventurados os pobres, porque o reino de Deus lhes pertence! Bem-aventurados os que têm fome de justiça, porque serão saciados! Bem-aventuradas os aflitos, porque chegará o dia da consolação! Bem-aventurados os pacíficos, porque irão a Deus!” ( † )

29 Sim, porque depois da treva surgirá uma nova aurora. Luzes consoladoras envolverão todo o orbe regenerado no batismo do sofrimento. 30 O homem espiritual estará unido ao homem físico para a sua marcha gloriosa no Ilimitado, 31 e o Espiritismo terá retirado dos seus escombros materiais a alma divina das religiões, que os homens perverteram, ligando-as no abraço acolhedor do Cristianismo restaurado.

32 Trabalhemos por Jesus, ainda que a nossa oficina esteja localizada no deserto das consciências.

33 Todos somos dos chamados ao grande labor e o nosso mais sublime dever é responder aos apelos do Escolhido.

34 Revendo os quadros da História do mundo, sentimos um frio cortante neste crepúsculo doloroso da civilização ocidental. 35 Lembremos a misericórdia do Pai e façamos as nossas preces. 36 A noite não tarda e, no bojo de suas sombras compactas, não nos esqueçamos de Jesus, cuja misericórdia infinita, como sempre, será a claridade imortal da alvorada futura, feita de paz, de fraternidade e de redenção.


.Emmanuel


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir