Bíblia do Caminho Testamento Kardequiano

O Livro dos Espíritos — Livro II — Leis morais.

(1ª edição)
(Édition Française)

Capítulo IV.


III. Lei de reprodução.

Obstáculos à reprodução. — Aperfeiçoamento das raças. — Celibato. — Casamento. — Poligamia. (Questões 328 a 337 b.)


328. A reprodução dos seres vivos é uma lei da Natureza? [Questão 686.]
“Evidentemente. Sem a reprodução o mundo corpóreo pereceria.”


329. Se a população seguir sempre a progressão crescente que vemos, chegará um momento em que se tornará excessiva na Terra? [Questão 687.]
“Não; Deus a isso provê e mantém sempre o equilíbrio.”


330. Há, neste momento, raças humanas que evidentemente diminuem. Chegará o momento em que terão desaparecido da Terra?” 117 [Questão 688.]
“Sim, é verdade. É que outras lhes estão tomando o lugar, assim como um dia outras raças tomarão o lugar da vossa.”


330 a. Os homens atuais formam uma criação nova, ou são descendentes aperfeiçoados dos seres primitivos?” 118 [Questão 689.]
“São os mesmos Espíritos que voltaram, para se aperfeiçoar em novos corpos, mas que ainda estão longe da perfeição.”


Assim, a atual raça humana que, por seu crescimento, tende a invadir toda a Terra e a substituir as raças que se extinguem, terá sua fase de decréscimo e de desaparição. Será substituída por outras raças mais aperfeiçoadas, que descenderão da atual, como os homens civilizados de hoje descendem dos seres brutos e selvagens dos tempos primitivos.


331. As leis e os costumes que têm por fim criar obstáculos à reprodução são contrários à lei da Natureza? [Questão 693.]
“Sim.”


331 a. Entretanto, há espécies de seres vivos, animais e plantas, cuja reprodução indefinida seria nociva a outras espécies, e das quais o próprio homem acabaria por ser vítima. Cometeria ele ato repreensível, impedindo essa reprodução? [Questão 693 a.]
“Não; Deus concedeu ao homem, sobre todos os seres vivos, um poder de que ele deve usar para o bem, mas não abusar. Pode, pois, regular a reprodução de acordo com as necessidades, mas não deve opor-se a ela desnecessariamente.”


332. Que pensar dos usos que têm por efeito impedir a reprodução, com vistas à satisfação da sensualidade? [Questão 694.]
“Isso prova a predominância do corpo sobre a alma e quanto o homem está apegado à matéria.”


333. O aperfeiçoamento das raças pela Ciência é contrário à lei natural?” 119 [Questão 692.]
“Não; tudo se deve fazer para chegar à perfeição e o próprio homem é um instrumento de que Deus se serve para atingir seus propósitos.”


Sendo a perfeição o objetivo para o qual tende a Natureza, favorecer essa perfeição é corresponder aos desígnios de Deus. O homem age conforme à Lei de Deus quando solicita à Arte ou à Ciência o aperfeiçoamento das raças.


334. O celibato voluntário é um estado de perfeição meritório aos olhos de Deus? [Questão 698.]
“Não, e os que assim vivem por egoísmo desagradam a Deus e enganam a todos.”


334 a. O celibato não representa um sacrifício que fazem certas pessoas com o fim de se dedicarem mais inteiramente ao serviço da Humanidade? [Questão 699.]
“Isso é muito diferente. Todo sacrifício pessoal é meritório, quando feito para o bem. Quanto maior o sacrifício, tanto maior o mérito.”


Deus não pode contradizer-se, nem achar ruim o que Ele próprio fez; não pode, pois, ver mérito algum na violação de sua lei. Mas se o celibato, em si mesmo, não é um estado meritório, o mesmo não sucede quando constitui, pela renúncia às alegrias da família, um sacrifício praticado em favor da Humanidade. Todo sacrifício pessoal com vistas ao bem e sem qualquer ideia egoísta, eleva o homem acima de sua condição material.


335. O casamento, isto é, a união permanente de dois seres, é conforme ou contrário à lei da Natureza? [Questão 695.]
“É um progresso na marcha da Humanidade.”


335 a. Qual seria o efeito da abolição do casamento sobre a sociedade humana? [Questão 696.]
“Seria uma regressão à vida dos animais.”


O casamento constitui um dos primeiros atos de progresso nas sociedades humanas e se encontra entre todos os povos, ainda que em condições diversas, visto que a união livre e casual dos sexos pertence ao estado de natureza. A abolição do casamento seria, pois, o retorno à infância da Humanidade, e colocaria o homem abaixo mesmo de certos animais, que lhe dão o exemplo de uniões constantes.


336. A indissolubilidade absoluta do casamento está na lei da Natureza, ou somente na lei humana? [Questão 697.]
“É uma lei humana muito contrária à lei da Natureza. Mas os homens podem modificar suas leis; só as leis da Natureza são imutáveis.”


337. A igualdade numérica aproximada entre os sexos é um indício da proporção em que devam unir-se? [Questão 700.]
“Sim.”


337 a. Qual das duas, a poligamia ou a monogamia, é mais conforme à lei da Natureza? [Questão 701.]
“A poligamia é lei humana cuja abolição marca um progresso social.”


337 b. De que modo a abolição da poligamia marca um progresso social?
“O casamento, segundo as vistas de Deus, deve fundar-se na afeição dos seres que se unem. Na poligamia não há afeição real, mas apenas sensualidade.” [Questão 701.]


Se a poligamia fosse conforme à lei da Natureza, deveria poder tornar-se universal, o que seria materialmente impossível, considerando-se a igualdade numérica dos sexos. A poligamia deve ser considerada como um uso ou legislação particular apropriada a certos costumes, e que o aperfeiçoamento social faz desaparecer pouco a pouco. [Questão 701.]



[117], [118], [119] N. E.: Ver “Nota explictiva”, p. 551.


.

Abrir