Bible of the WayBíblia do Caminho  † Testamento Redentor

Índice Página inicial Próximo Capítulo

O Evangelho segundo S. Mateus  Ee 

(Vulgatæ Editionis)

 

CAPÍTULO 18

 

O maior no Reino dos Céus é o que se faz como um menino. É grande pecado escandalizar os pequenos. Como se deve dar a correção fraterna. O que não ouvir a Igreja, deve ser tratado como um gentio ou publicano. Dá Jesus Cristo aos apóstolos o poder de ligar e desatar. De quanta força seja a oração dos que se unem. A ira de Deus contra os que à sua imitação não perdoam ao próximo. (Nota do Tradutor)

 

O maior no Reino dos Céus  Ee 

Mc = Lc

 

18 Naquela hora chegaram-se a Jesus os discípulos, dizendo: Quem julgas que é maior no Reino dos Céus?

2 Chamando Jesus a um pequenino, colocou-o no meio deles, e disse:

3 Na verdade vos digo que se vos não converterdes, e vos não fizerdes como um destes pequeninos, não haveis de entrar no Reino dos Céus.

4 Todo aquele, pois, que se fizer pequeno, como este menino, esse será o maior no Reino dos Céus.

5 E o que receber em meu nome um pequenino como este, a mim é que recebe.

 

Do escândalo  Ee 

Mc = Lc

 

6 O que escandalizar porém a um destes pequeninos, que creem em mim, melhor lhe fora que se lhe pendurasse ao pescoço uma mó, e que o lançassem no fundo do mar.

7 Ai do mundo por causa dos escândalos. Porque é necessário que sucedam escândalos; mas ai daquele homem por quem o escândalo venha.

8 Ora, se a tua mão ou o teu pé escandaliza, corta-o e lança-o fora de ti; melhor te é entrar na vida manco ou aleijado, que, tendo duas mãos ou dois pés, ser lançado no fogo eterno.

9 E se o teu olho te escandaliza, tira-o e lança-o fora de ti: melhor te é entrar na vida com um só olho do que tendo dois, ser lançado no fogo do inferno.

 

Parábola da ovelha perdida  Ee 

Lc

 

10 Vede, não desprezeis algum destes pequeninos; porque eu vos declaro que os seus anjos nos Céus incessantemente estão vendo a face de meu Pai que está nos Céus.

11 Porque o Filho do Homem veio salvar o que havia se perdido.

12 Que vos parece? Se alguém tiver cem ovelhas e se desgarrar uma delas; porventura não deixa as noventa e nove nos montes e vai buscar aquela que se extraviou?

13 E se acontecer achá-la; digo-vos em verdade, que maior contentamento recebe ele por esta, do que pelas noventa e nove que não se extraviaram.

14 Assim, não é da vontade do vosso Pai que está nos Céus, que pereça um destes pequeninos.

 

Da corrigenda  Ee 

 

15 Portanto, se teu irmão pecar contra ti, vai e corrige-o entre ti e ele só; se te ouvir, ganhado terás a teu irmão;

16 Mas se não te ouvir, leva ainda contigo uma ou duas pessoas, para que, por boca de duas ou três testemunhas, fique tudo confirmado.

17 E, se os não ouvir, dize-o à Igreja, se não ouvir a Igreja, tem-no por um gentio ou um publicano.

18 Em verdade vos digo, que tudo o que ligardes sobre a terra, será ligado também no Céu; e tudo o que desatardes sobre a terra, será desatado também no Céu.

 

Congregação em Jesus  Ee 

 

19 Mais uma vez vos digo que, se dois dentre vós consensuarem-se sobre a terra, acerca de qualquer coisa que pedirem, meu Pai, que está nos Céus, lha fará.

20 Porque onde se acham dois ou três congregados em meu nome, aí estou eu no meio deles.

 

Do perdão  Ee 

Lc

 

21 Então chegando-se Pedro a ele, perguntou: Senhor, quantas vezes poderá pecar meu irmão contra mim, que eu lhe perdoe? será até sete vezes?

22 Respondeu-lhe Jesus: Não te digo que até sete vezes,  n  mas que até setenta vezes sete vezes.

 

Parábola do credor incompassivo  Ee 

 

23 Por isso o Reino dos Céus é comparado a um homem rei que quis acertar as contas com seus servos.

24 Tendo começado a acertar as contas, apresentou-se-lhes um que lhe devia dez mil talentos.

25 E como não tivesse com que pagar, mandou o seu senhor que o vendessem a ele, sua mulher e seus filhos e tudo o que tinha, para que a dívida fosse paga.

26 Porém, o tal servo, lançando-se-lhe aos pés, lhe fazia esta súplica: Tem paciência comigo, que eu te pagarei tudo.

27 Então o senhor compadecido daquele servo, deixou-o ir livre, e perdoou-lhe a dívida.

28 Tendo saído este servo, encontrou um de seus companheiros que lhe devia cem denários; e, alçando a mão, o afogava, dizendo: Paga-me o que me deves.

29 O companheiro lançando-se-lhe aos pés rogava-lhe: Tem paciência comigo que eu te satisfarei tudo.

30 Porém ele não quis; mas retirou-se, e fez que o encarcerassem até pagar a dívida.

31 Vendo, porém, o que se passava, os seus conservos sentiram-no tão fortemente que foram dar parte a seu senhor de tudo o que tinha acontecido.

32 Então, seu senhor chamou-o e lhe disse: Servo mau, eu perdoei-te a dívida toda porque me vieste rogar para isso.

33 Não devias, igualmente, compadecer-te do teu companheiro, assim como também eu me compadeci de ti?

34 E cheio de cólera mandou seu senhor que o entregassem aos algozes até pagar toda a dívida.

35 Assim também vos há de fazer meu Pai celestial, se não perdoardes do íntimo de vossos corações, cada um a seu irmão.

 


[1] Veja a antítese desse ensinamento em  Gênesis 4.24.

Há imagens desse capítulo, visualizadas através do Google - Pesquisa de livros, nas seguintes bíblias: Padre Antonio Pereira de Figueiredo edição de 1828 | Padre João Ferreira A. d’Almeida, edição de 1850 | A bíblia em francês de Isaac-Louis Le Maistre de Sacy, da qual se serviu Allan Kardec na Codificação.

Veja também as seguintes versões: Corrigida e revisada, fiel de Almeida; Novum Testamentum Graece 28th revised edition. Edited by Barbara Aland and others; Parallel Greek New Testament by John Hurt